Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Wikipédia diz que Branko é um “DJ e produtor” musical português, mas todos sabemos que a Wikipédia não é a melhor fonte de informação exata. Sim, Branko é um DJ e produtor musical. Sim, produzir, compor e tocar música ao vivo é o que o torna mediático. E no entanto, Branko, que tem como nome de batismo João Barbosa, não é só um DJ e um produtor musical, se calhar não o é sequer principalmente.

Tão importante quanto a faceta de criador é a faceta de investigador porque dificilmente a primeira existiria sem a segunda. São os ouvidos atentos e o olhar de analista que o levaram a propor e fazer uma série documental para a RTP sobre correntes musicais originais que estão a emergir em vários pontos do globo, das ruas de Lisboa às de Cabo Verde, das favelas e bairros de São Paulo aos recantos de Lima e Montreal, da metrópole do Gana (Acra) a cidades como Paris, Bombaim e Goa. São eles que o levam a ser uma espécie de “ajudante na comprovação de factos relativos à língua portuguesa e até a outros assuntos musicais a nível global” de Elias Leight, jornalista da revista musical norte-americana Rolling Stone. São eles que o levam a dizer o seguinte, questionado pelo Observador sobre as suas referências musicais: “Existem canções que fazem com que uma sonoridade passe a fazer sentido na vida de uma série de gente que nem sabia que aquilo existia. São portas de entrada para algo. Esses momentos de transição que fazem com que de repente uma coisa passe a ser normal para uma série de pessoas são músicas a que volto sempre para ouvir e tentar perceber como é que aquilo funcionou”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.