818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Escócia conseguiu empatar sem golos frente à Inglaterra no último Europeu mas não passou (mais uma vez) da fase de grupos
i

Escócia conseguiu empatar sem golos frente à Inglaterra no último Europeu mas não passou (mais uma vez) da fase de grupos

Visionhaus

Escócia conseguiu empatar sem golos frente à Inglaterra no último Europeu mas não passou (mais uma vez) da fase de grupos

Visionhaus

Escócia (Grupo A). A esperança que o espírito Braveheart não deixe outra vez o filme a meio

Teve um início de qualificação brilhante a ganhar a Espanha e Noruega, só venceu um jogo nos últimos meses e contra Gibraltar. Esta Escócia pode fazer o melhor e o pior mas há um sonho que nunca cai.

A qualificação para o Europeu e os meses que se seguiram acabam por funcionar como um espelho de tudo o que a Escócia tem sido nos últimos 30 anos, quando consegue apuramentos para grandes provas de seleções: ganhou à Espanha após uma entrada vitoriosa diante do Chipre, foi à Noruega bater Haaland e companhia com uma reviravolta nos cinco minutos finais, somou cinco triunfos consecutivos que praticamente fizeram o resto da campanha, fez a festa por entrar no lote de eleitos para a Alemanha mas seguiram-se vários meses só com uma vitória e diante da frágil Gibraltar. Espremido, fica tudo na mesma. Promete mas não cumpre. Sonha e faz sonhar, acorda sem concretizar o sonho – e de quando em vez chega ao pesadelo. Pela quarta vez num Europeu e pela 13.ª vez em grandes competições, os escoceses querem quebrar o “quase”.

O grupo abre essa possibilidade. A Escócia é tudo menos favorita a passar tendo em conta o favoritismo da Alemanha num plano teórico mas o equilíbrio com as restantes equipas do grupo possibilita mais uma vez sonhar. Se nos encontros com Suíça e/ou Hungria o conjunto de Steve Clarke somar três a quatro pontos, tem possibilidades de no limite passar como um dos melhores terceiros classificados. Há problemas claros na equipa, não apenas no momento que atravessa mas também nos problemas físicos que têm assolado alguns dos principais nomes da linha de três defensiva, mas a 13.ª tentativa de passar os grupos pode ser a de vez.

Para isso, entre aqueles toques de kick and rush de futebol à antiga que às vezes chega a ter o seu encanto não pela beleza estética mas pela “honestidade” com que se apresenta em campo, a aposta volta a passar pelo espírito Braveheart apoiado por uma massa adepta fantástica que é um exemplo para todas as outras que respeita o ADN enraizado no futebol escocês com um ou outro nome que podem passar de meros talismãs para heróis nacionais como McTominay, McGinn ou Che Adams. É nisso que os britânicos vão apostar, com esse “peso” extra de fazerem logo o encontro de abertura em Munique diante da Alemanha.

Apesar de nunca ter passado da fase de grupos numa grande competição internacional, orgulho na seleção escocesa é bem notório nas principais cidades como Glasgow

BI

  • Ranking FIFA atual: 39.º
  • Melhor ranking FIFA: 13.º (outubro de 2007)
  • Alcunha: The Tartan Army
  • Presenças em fases finais: 3
  • Última participação. Fase de grupos no Europeu em vários países, em 2020
  • Melhor resultado. Fase de grupos no Europeu da Suécia em 1992, no Europeu de Inglaterra em 2006 e no Europeu em vários países em 2020
  • Qualificação. Apuramento direto como segundo classificado do grupo A com Espanha, Noruega, Geórgia e Chipre
  • O que seria um bom resultado? Passar a fase de grupos

Jogos em 2024

  • Jogo particular, 23/3: Países Baixos (fora), 4-0 (D)
  • Jogo particular, 26/3: Irlanda do Norte (casa), 0-1 (D)
  • Jogo particular, 3/6: Gibraltar (fora), 0-2 (V)
  • Jogo particular, 7/6: Finlândia (casa), 2-2 (E)

O onze

  • 3x4x3: Gunn; Hendry, McKenna, Tierney; Anthony Ralston, McTominay, Gilmour, Andy Robertson; McGregor, McGinn e Che Adams

O treinador

  • Steve Clarke (escocês, 60 anos, desde 2019)
  • Outros clubes/seleções: WBA, Reading e Kilmarnock

Steve Clarke assumiu o comando da seleção escocesa em 2019, depois de largos anos como adjunto de técnicos como José Mourinho

O craque

  • Scott McTominay (30 anos, lateral do Liverpool)
  • Outros clubes: Queen’s Park, Dundee United e Hull City

A revelação

  • Billy Gilmour (22 anos, médio do Brighton)
  • Outros clubes: Chelsea e Norwich

O mais internacional e o maior goleador

  • Kenny Dalgish (102 internacionalizações) e Denis Law/Kenny Dalgish (30 golos)

Andy Robertson, lateral do Liverpool e um dos mais experientes da equipa, assumiu a braçadeira de capitão da Escócia

Craig Foy - SNS Group

Os 26 convocados

  • Guarda-redes (3): Zander Clark (Hearts), Angus Gunn (Norwich) e Liam Kelly (Motherwell)
  • Defesas (10): Liam Cooper (Leeds United), Grant Hanley (Norwich), Jack Hendry (Al-Ettifaq), Ross McCrorie (Bristol City), Scott McKenna (Copenhagen), Ryan Porteous (Watford), Anthony Ralston (Celtic), Andy Robertson (Liverpool), Greg Taylor (Celtic) e Kieran Tierney (Real Sociedad)
  • Médios (8): Stuart Armstrong (Southampton), Ryan Christie (Bournemouth), Billy Gilmour (Brighton), Ryan Jack (Rangers), Kenny McLean (Norwich), John McGinn (Aston Villa), Callum McGregor (Celtic) e Scott McTominay (Manchester United)
  • Avançados (5): Che Adams (Southampton), Ben Doak (Liverpool), Lyndon Dykes (QPR), James Forrest (Celtic) e Lawrence Shankland (Hearts)

O centro de estágio

  • Stadion am Gröben, em Garmisch-Partenkirchen

A ligação a Portugal

Steve Clarke não tinha propriamente um grande “currículo” como treinador principal, entre as passagens por WBA, Reading e Kilmarnock. No entanto, isso não significa que não tenha um grande “caminho” como treinador… adjunto. Tudo começou com Ruud Gullit, passou por Avram Grant e Gianfranco Zola, teve um ponto alto chamado José Mourinho: em 2004, quando trocou o FC Porto pelo Chelsea, o português quis contar com um técnico inglês que conhecesse o clube e apostou em Clarke, antigo jogador dos blues. Esse foi um dos principais pontos de crescimento do atual selecionador escocês para o caminho de treinador.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos