819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Na terceira temporada continua a haver muita cor, muito joia, muito tudo. Os rolos de tecido que não se gastaram neste seriado, em particular com estas "fashion icons"
i

Na terceira temporada continua a haver muita cor, muito joia, muito tudo. Os rolos de tecido que não se gastaram neste seriado, em particular com estas "fashion icons"

Na terceira temporada continua a haver muita cor, muito joia, muito tudo. Os rolos de tecido que não se gastaram neste seriado, em particular com estas "fashion icons"

O que aprendemos ao ver todos os episódios de "Bridgerton"? Que o amor vence tudo, da escravatura aos vestidos menos confortáveis

É um dos grandes sucessos internacionais no campeonato das séries. Susana Verde aceitou o desafio e começou do princípio até chegar à nova temporada. Eis as conclusões de uma epopeia televisiva.

Esta autora dirige-se a Vossas Excelências com a humildade que advém da educação que seus pais lhe deixaram de dote, mas não renega o sentimento de missão cumprida de forma estoica nas últimas 80 horas, grosso modo. Não será epopeia que mereça ser lavrada em 10 cantos ou pela qual valha a pena perder uma vista, mas…

Venho por este meio declarar que devorei de uma assentada as temporadas todas de Bridgerton, a história da ficcional família inglesa do séc. XIX, cujo apelido batiza o mais recente diamante da rainha da TV Shonda Rhimes. Sim, a “mãe” da Anatomia de Grey, a série de médicos que muitos consideram que devia ter sido eutanasiada há para cima de uma dúzia de anos, mas vai para a 21ª temporada. Como a conta bancária da criadora pode seguramente atestar.

E porque é que iniciei o texto conjugando o verbo dessa forma, qual ponta-de-lança que voava entre os centrais? Porque a dita série é narrada na terceira pessoa por Lady Whistledown, pseudónimo da redatora do folhetim de mexericos que põe a nu — e a expressão não é inocente — o que passa nas alcovas da corte londrina. Jornalista do social essa, eufemismo atual, que cita Byron logo para começo de conversa, coisa que não estou a ver acontecer numa TV Mais, chamem-me preconceituosa.

“Of all bitches, dead or alive, a scribbling woman is the most canine. If that should be true, then this author would like to show you her teeth.”

Se fiquei com vontade de tatuar? A resposta é um rotundo sim. Se vou assinar este texto com o pseudónimo Senhorita Assobia-para-o-Lado. Não, porque felizmente o editor possui a sensatez que me falta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

"Bridgerton" (aqui na temporada 1) é um paliativo audiovisual recheado de gente bonita e saudável que, talvez por isso mesmo, padeciam de uma contundente dificuldade em manter as ceroulas vestidas

Mas voltemos ao prelúdio que me diz respeito: a meio da tarde de uma passada sexta-feira, perguntaram-se se eu queria escrever sobre a terceira temporada de Bridgerton, título em primeiro lugar no top da Netflix. Respondi “Giro, mas nunca vi.” É verdade que esta que vos escreve é consumidora ávida de todo o tipo de entretenimento audiovisual e é menina para ir de um Too hot to handle a um Bertolucci em menos de um fósforo, mas nunca tinha visto um minuto que fosse desta adaptação da saga de romances históricos da escritora Julia Quinn.

Factos curiosos sobre a autora: é americana (e não britânica, como muitos pensam), tirou História de Arte em Harvard e começou medicina em Yale, que abandonou devido ao sucesso literário. E ganhou 79.000 dólares no Elo Mais Fraco.  E por falar em grande feitos: se eu fui uma heroína por ter dedicado mais horas a isto para me preparar para esta resenha, do que  certos candidatos às europeias dedicaram à preparação para o cargo a que concorrem? Fica no ar.

Lembro-me de ouvir falar Mariana Cabral, a nossa Bumbs, pela altura da estreia (em meados de 2021), sobre Bridgerton. Dizia ela que era daquelas que servia o tão são propósito de vegetar em frente ao ecrã, reduzindo as sinapses a mínimos olímpicos. Perfeito para nos abstrairmos na nossa sala, de tudo o que de péssimo se passa lá fora. Um paliativo audiovisual recheado de gente bonita e saudável que, talvez por isso mesmo, padeciam de uma contundente dificuldade em manter as ceroulas vestidas. Se Bumba mentiu? Nadinha.

"Bridgerton" não é o "Orgulho e Preconceito" ou a "Importância de Ser Ernesto", mas nem tudo tem de ser incrível, épico, o melhor de sempre. Como diria o meu pai, não deves confundir a obra prima, como a prima do mestre de obras. Mas há-de haver para aí quem se juntou com a dita prima do dito mestre e não se queixa.

Aos três minutos e um segundo do primeiro episódio da primeira temporada, podemos assistir a Anthony, o primogénito da família, a arremessar-se contra um pinheiro, com uma moça de saias arregaçadas a almofadar as investidas entre ele e a árvore. Se é um início promissor? Alguns acharão. Se é meio batota para prender o espectador pelas hormonas? Talvez. Se é um sucesso retumbante? Os números dizem que sim. E eu gosto muito da palavra retumbante.

Em cada temporada, a trama anda à volta de um dos Bridgerton à procura do amor, uns com mais vontade do que outros. Passo a elencar as minhas considerações sobre as duas primeiras temporadas e sobre o quarteto de episódios da terceira, já disponíveis.

Temporada 1

A abrir o primeiro episódio, conhecemos a família Bridgerton: quatro irmãos, quatro irmãs e a matriarca viúva. Dada essa condição chata de ser mulher, é Anthony o filho mais velho que manda lá em casa (aquele que veríamos dentro de pouco mais de um minuto a abraçar a natureza com o corpo todo). Daphne Bridgerton é apresentada à sociedade, deslumbra a rainha com a sua beleza, que a nomeia o diamante da temporada, logo o prémio mais cobiçado pelos machos casadoiros… Isto é que é objetificação da boa, hein?

[o trailer da primeira temporada:]

Vai daí, Daphne conhece um duque com uma boca doce, mas uma alma azeda. Graças a trauma de pai tóxico e a ainda não terem inventado a terapia. Simon, o Duque de Hastings, tem tanto de sensualão como de descrente na humanidade, cuja frase de assinatura que repete ad nauseum é “I can’t have kids”. A narrativa é o que é: os protagonistas conhecem-se, tomam-se de ponta graças a um equívoco. Por conveniência mútua bem forçadinha, decidem fingir que são namorados, apesar de “se odiarem”… Sure, sure. No final, acabam juntos. Vitória, vitória, acabou-se a história. Aborreceu-me a tempos, apesar do rodízio sexual com que os protagonistas nos presenteiam na lua-de-mel.

Temporada 2

One down, seven to go. O Bridgerton que se segue é o primogénito, Anthony. Passou a primeira temporada a interferir na vida da irmã Daphne, com a desculpa que era tudo para o bem dela, mas na verdade só dificultava, qual Banco Central Europeu. Depois de um amor escandaloso com uma cantora de ópera, decide fazer o que lhe compete como macho alfa ou chefe de família ou guardião da galáxia ou o raio que o parta e vai procurar uma parideira. Peço desculpa, uma noiva.

O Anthony é um drama queen do pior. Passa a temporada toda a dizer que é um gentleman, com aquele sobrolho franzido de quem só vai bater aquele penálti porque já esgotaram as substituições. Lá lhes vislumbramos um sorriso quando consegue quebrar a armadura de Kate, a forasteira que veio para Londres para casar a irmã mais nova. E devo dizer que Anthony “quebrou a armadura” de Kate, pela primeira vez, nos jardins do palácio. Enquanto lá dentro, logo ali ao lado, acontecia um baile para toda a alta sociedade, famílias dos respetivos e Rainha da Inglaterra incluídos. Na mesma série onde jovens são obrigados a casar se forem apanhados a conversar depois do sol se pôr, sem a vigilância de alguém, o sexo ao ar livre é praticado com a ligeireza com que André Ventura insulta a constituição.

[o trailer da segunda temporada:]

Anthony e Kate provocaram piquinhos mútuos no baixo ventre no primeiro episódio, mas por motivos de fazer render o conflito, só se entendem no último. Apesar do cliché, ou trope como dizem os fãs, gostei bem mais desta season. Os outros núcleos ganham corpo e as personagens são melhor desenvolvidas, enquanto na primeira parecem terem a mesma relevância que os extravagantes arranjos florais.

Especial destaque para a família Featherington, que já tinha importância na história, mas ganha aqui outro peso. A mãe Portia faz tudo para manter a posição social, depois de uma viuvez com contornos escandalosos. Tem três filhas: as mais velhas que têm a sagacidade de um cântaro rachado e exalam odor de desespero para casar. A mais nova Penelope, tratada com desdém pela família e não só, é a mais inteligente do burgo. E senão é a estrela da série, está lá muito perto. Na terceira temporada então… Facto curioso: a matriarca da família é a cara chapada da Tia Cátia do 24 Kitchen e desafio para um duelo quem me contrariar.

Temporada 3

From friends to lovers é o cliché… Desculpem, é o trope que se segue no menu e o protagonista é Colin Bridgerton, o irmão que na primeira temporada teve um desgosto de amor e foi para à Grécia (há vidas piores). Na segunda temporada, passa o tempo a falar na dita viagem (no tempo do Facebook seria daqueles que partilham álbuns com cerca de 84 fotos) e agora é convocado para ponta de lança da história.

Embora já se tivesse verificado anteriormente o chamado “Shonda Effect” — um qualquer feitiço que Shonda Rhimes administra nas personagens que puxa para protagonista, transformando pães sem glúten em travesseiros da Piriquita — no caso de Colin a coisa é drástica. Se o glow up de Anthony passou por pouco mais que lhe mudar aquele penteado meio vocalista dos Placebo, para um cabelo de gente, o Colin da temporada 3 parece uma versão A.I. do Colin das anteriores. Eu cá não aprecio muito o look harmonização facial de ex-concorrente de reality show, mas posso ser só eu.

[o trailer de terceira temporada:]

A Penelope sempre foi apaixonada pelo Colin, já sem grande esperança de sair da friendzone. Mas no momento em que decide botar-se para jogo e desperta o interesse de um Lord vegetariano, o amigo que a tinha arrumado na gaveta das migas, começa a ganhar-lhe outro apetite. E leram bem: um lord vegetariano no séc. XIX. Se dúvidas houvesse que esta é a melhor temporada (embora ainda faltem os 4 episódios finais), acho que isto diz tudo. Menção honrosa para as lições da mãe Featherington às filhas, sobre a conceção dos seus futuros e necessários netos. Ri-me bem.

De resto, continua a haver muita cor, muito joia, muito tudo. Os rolos de tecido que não se gastaram neste seriado, em particular com estas fashion icons: Lady Danbury, Queen Charlotte e prémio Un Certain Regard para Cressida Cowper, a mean girl da história que usa uns figurinos over the top que me fazem lembrar a Helena Isabel no Tal Canal. Para os mais novos, a Helena Isabel é a mãe do Agir. E o Tal Canal… Vão procurar. De nada!

E numa série desta época é claro que isto é bailes dia sim, dia sim. Com a particularidade de boa parte das “valsas”, ao som das quais os gulosos e as gulosas se cortejam, são adaptações de músicas atuais: temos Taylor Swift, Ariana Grande, Rihanna, Pink, Miley Cirus, Alanis Morissette, Beyoncé… Mas o momento alto para mim é uma sequência de “dates” desastrosos de Anthony ao som de Stay Away dos Nirvana. Vocês sabem lá o quentinho que me deu. Por falar em calor, então e a cena que fecha o quarto episódio? Ó lindos, só vos vou dizer que se passa numa carruagem, mas não são só os cavalos que relincham. Desculpem, foi muito Parque Mayer, bem sei. Dormi pouco nos últimos dias, deem-me o devido desconto.

Neste universo, cheio de rendas, folhos e laços, o amor vence tudo, de facto, e um ato individual resolveu o mal do mundo e apagou o ódio racial por decreto (na imagem: a segunda temporada)

LIAM DANIEL/NETFLIX

Bridgerton não é o Orgulho e Preconceito ou a Importância de Ser Ernesto, mas nem tudo tem de ser incrível, épico, o melhor de sempre. Como diria o meu pai, não deves confundir a obra prima, como a prima do mestre de obras. Mas há-de haver para aí algum sujeito que se juntou com a dita prima do dito mestre e não se queixa. Não é todo uma obra revolucionária, apesar das questões de classe e privilégio serem abordada aqui e ali. Também o feminismo é tema, de alguma forma, até porque as personagens nem sempre aceitam de ânimo leve o destino acetinado, mas constrangido pelos espartilhos literais e figurados que lhes são impostos.

Por outro lado, em Bridgerton, graças ao Rei se ter apaixonado por uma mulher negra, é declarado o fim da escravatura. Neste universo, cheio de rendas, folhos e laços, o amor vence tudo, de facto, e um ato individual resolveu o mal do mundo e apagou o ódio racial por decreto. Não me querendo repetir, não sei se isto é perfeito para nos abstrairmos na nossa sala de tudo o que de péssimo se passa lá fora, mas é um bom paliativo por umas quantas horas. 13 de junho há mais.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos