818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Suíça foi uma das boas surpresas no último Europeu, eliminando a França nos oitavos antes de cair frente à Espanha no desempate por grandes penalidades
i

Suíça foi uma das boas surpresas no último Europeu, eliminando a França nos oitavos antes de cair frente à Espanha no desempate por grandes penalidades

FABRICE COFFRINI

Suíça foi uma das boas surpresas no último Europeu, eliminando a França nos oitavos antes de cair frente à Espanha no desempate por grandes penalidades

FABRICE COFFRINI

Suíça (Grupo A). Xhaka e uma equipa que quer deixar de ser neutra também no futebol

É candidata a passar os grupos, é candidata a cair no início da fase a eliminar. A neutralidade da política externa da Suíça equipara-se ao futebol – e é com isso que Xhaka e companhia querem acabar.

É um dos pilares daquilo que é a política externa do país, é quase uma imagem de marca e uma identidade, funciona também como uma boa descrição para aquilo que é a seleção de futebol: neutralidade. E se nas duas primeiras isso é algo bom, aplicado à vertente desportiva perde força. Quando se pensa naquilo que é a Suíça e naquilo que pode atingir, é transversal a todos que se trata de uma equipa que joga bem, que consegue ser competitiva e que é candidata a passar a fase de grupos, sendo que a partir daí pode ir mais ou menos longe mas anda entre os oitavos e os quartos. É isso que, mais uma vez, os helvéticos tentarão “combater”.

A última edição do Europeu funcionou quase como mote para esse passo em frente que a Suíça há muito procura, com uma vitória nos oitavos com a França e uma derrota apenas no desempate por penáltis diante da Espanha. O Mundial do Qatar terminou com uma derrota pesada frente a Portugal nos oitavos, no dia em que Gonçalo Ramos se mostrou com um hat-trick, mas o ADN dessa equipa marcado pela “neutralidade” deu sinais de querer mudar. Agora, mais uma vez, esse é o desafio dos comandados de Murat Yakin, um técnico que todos pensavam estar despedido nesta altura depois desse 6-1 frente à Seleção mas que se mantém no comando de uma formação helvética que se qualificou na penúltima jornada da fase de grupos.

Shaqiri ainda está na lista mas perdeu muita influência numa fase da carreira em que joga nos EUA mas há jogadores chave que chegam depois de épocas muito conseguidas – o que também pode ter a sua influência. Logo à cabeça surge o capitão e líder Xhaka, campeão pelo Bayer Leverkusen, a que se juntam Akanji, Yann Sommer ou até Gregor Kobel. Depois, nomes menos conhecidos mas que se destacaram na temporada como Dan Ndoye ou Zeki Amdouni. A base da Suíça é sempre a mesma: uma defesa sólida, um meio-campo que tenta controlar as operações, um ataque talhado para jogar em velocidade nas transições. A partir daí, serão as individualidades que dirão até que ponto a Suíça continua ser neutra também no futebol.

Suíça empatou no último ensaio geral antes do Europeu frente à Áustria após uma goleada diante da Estónia

Carsten Harz

BI

  • Ranking FIFA atual: 19.º
  • Melhor ranking FIFA: 3.º (agosto de 1993)
  • Alcunha: Nati (Equipa Nacional)
  • Presenças em fases finais: 5
  • Última participação. Quartos no Europeu em vários países, em 2020
  • Melhor resultado. Quartos no Europeu em vários países, em 2020
  • Qualificação. Apuramento direto como segundo classificado do grupo I com Roménia, Israel, Bielorrússia, Kosovo e Andorra
  • O que seria um bom resultado? Repetir os quartos da última edição

Jogos em 2024

  • Jogo particular, 23/3: Dinamarca (fora), 0-0 (E)
  • Jogo particular, 26/3: Rep. Irlanda (fora), 0-1 (V)
  • Jogo particular, 4/6: Estónia (casa), 4-0 (V)
  • Jogo particular, 8/6: Áustria (casa), 1-1 (E)

O onze

  • 4x3x3: Sommer; Widmer, Schär, Akanji, Rodríguez; Xhaka, Freuler, Zakaria; Vargas, Ndoye e Embolo

O treinador

  • Murat Yakin (suíço, 49 anos, desde 2021)
  • Outros clubes/seleções: FC Frauenfeld, Thun, Lucerna, Basileia, Spartak Moscovo, Schaffhausen, Grasshoppers e Sion

Murat Yakin resistiu à goleada frente a Portugal no Mundial do Qatar e recolocou Suíça numa fase final

FABRICE COFFRINI

O craque

  • Granit Xhaka (31 anos, médio do Bayer Leverkusen)
  • Outros clubes: Basileia, B. Mönchengladbach e Arsenal

A revelação

  • Dan Ndoye (23 anos, ala/avançado do Bolonha)
  • Outros clubes: Lausanne, Nice e Basileia

O mais internacional e o maior goleador

  • Granit Xhaka (121 internacionalizações) e Alexander Frei (42 golos)

Xhaka ganhou uma segunda vida no futebol ao serviço do Bayer Leverkusen e assume a liderança da Suíça na fase final do Europeu

Carsten Harz

Os 26 convocados

  • Guarda-redes (3): Gregor Kobel (B. Dortmund), Yvon Mvogo (Lorient) e Yann Sommer (Inter)
  • Defesas (7): Manuel Akanki (Manchester City), Nico Elvedi (B. Mönchengladbach), Ricardo Rodríguez (Torino), Fabian Schär (Newcastle), Leonidas Stergiou (Estugarda), Silvan Widmer (Mainz) e Cédric Zesiger (Wolfsburgo)
  • Médios (10): Michel Aebischer (Bolonha), Zeki Amdouni (Burnley), Kwadwo Duah (Ludogorets), Remo Freuler (Nottingham Forest), Ardon Jashari (Lucerna), Fabian Rieder (Rennes), Vincent Sierro (Toulouse), Granith Xhaka (Bayer Leverkusen), Zakaria (Mónaco) e Steven Zuber (AEK)
  • Avançados (6): Breel Embolo (Mónaco), Dan Ndoye (Bolonha), Noah Okafor (AC Milan), Xherdan Shaqiri (Chicago Fire), Renato Steffen (Lugano) e Ruben Vargas (Augsburgo)

O centro de estágio

  • Gazi-Stadion auf der Waldau, em Estugarda

A ligação a Portugal

Depois de quase 50 internacionalizações e da passagem por vários clubes suíços e não só, Murat Yakin foi contratado como selecionador em 2021 e não guardou boas memórias de Portugal, com quem se cruzou nos oitavos para uma goleada histórica da Seleção por 6-1 com um hat-trick de Gonçalo Ramos no dia em que Ronaldo começou no banco. No entanto, o conjunto nacional não guarda boas recordações do irmão mais novo do técnico, Hakan Yakin: médio ofensivo que representava então o Young Boys antes de mudar-se para o Qatar, foi ele que bisou na vitória dos helvéticos na fase de grupos frente a Portugal no Euro-2008.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos