Rádio Observador

Turismo

Begpackers: viajar à esmola com tablets na mochila! /premium

Autor
  • Mafalda G. Moutinho
120

Os begpackers são jovens ocidentais que viajam com poucos recursos económicos para países pobres e que pedem esmola nesses países para seguir viagem. Uma obscenidade e uma falta de respeito.

Viajar é uma das actividades mais enriquecedoras para o ser humano e é, claramente, por essa razão que em tantas culturas e em tantas famílias é perfeitamente normal, após término dos estudos, passar uma temporada a viajar por distintos países do mundo. O mais enriquecedor desta actividade que, por norma, tem a duração de um ano civil, ano esse que, com frequência, é denominado por “gap year”, é o intercâmbio laboral que os jovens viajantes menos privilegiados economicamente realizam em troca para seguir com a sua viagem. Entenda-se por intercâmbio a obtenção de dinheiro em troca de trabalhos temporários, nos quais os viajantes oferecem o seu tempo, esforço, dedicação e conhecimentos.

Noutros casos, devido ao novo fluxo de vida dos millennials e das gerações que os sucedem, ultrapassar os portões do mundo ocidental é uma prioridade de vida perante a real impossibilidade de adquirir casa própria, como fizeram os seus pais com as suas idades, tendo estes últimos eternamente adiado os sonhos de exploração do mundo mais recôndito.

Com tudo isto não deixa de ser surpreendente, violando todas as premissas do viajante aventureiro, o crescimento do fenómeno dos designados “begpackers”. Os begpackers são essencialmente jovens ocidentais que viajam com poucos recursos económicos para países pobres e que pedem esmola nesses países para poderem seguir viagem.

Este fenómeno em crescimento está disseminado, sobretudo nos países do sudeste asiático e da América latina, o que é preocupante, em várias frentes e contextos. Para começar, mendigar é ilegal na maioria dos referidos países, para não falar da obscenidade que é pedir aos locais dinheiro para viajar, exibindo tablets na mochila, bem como smartphones de última geração. Muito mais de que uma questão ética, parece-me uma falta de respeito para com os povos e culturas locais. Estamos a falar de populações que, na sua maioria, nunca viveram com as comodidades que vivemos no Ocidente.

Esta moda que podemos, aliás, apreciar no Instagram através do #begpackers tem crescido de tal forma que alguns países como a Tailândia estão a exigir que os turistas comprovem possuir um montante monetário de aproximadamente 585 euros para entrar no país. Existem variadíssimas formas para que possamos viajar com poucos recursos económicos sem que tenhamos de nos converter nestes “falsos pobres”, através da ajuda de plataformas como o couchsurfing e o hospitality club, ainda que não sejam as formas de obter alojamento mais recomendáveis.

Também existem os programas da União Europeia, que apoiam economicamente e estimulam os mais jovens a viajar por distintos países, e uma panóplia de páginas de bloggers que se dedicam a viajar, de forma económica, partilhando uma série de dicas essenciais para que o possamos fazer de forma e da forma menos dispendiosa possível e, sobretudo, eficiente. Saibamos viajar, respeitando as regras implícitas a atravessar os caminhos do mundo desconhecido, abraçando os povos locais com dignidade na bagagem. Sejamos, acima de tudo, #dignitypackers.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Férias

Cacela Velha, um segredo ainda bem guardado

Mafalda G. Moutinho
285

Chegados à aldeia ficámos com o apetite em aberto para um maravilhoso dia de praia, vislumbrando uma das panorâmicas mais bonitas do sotavento algarvio, através do forte da aldeia.

Música

A extraordinária dupla vida de Margarida Falcão

Mafalda G. Moutinho
285

Deveríamos investir mais na cultura e nos artistas portugueses que carregam na alma das suas vozes, o sangue das nossas tradições, as ânsias das nossas gentes e a identidade das distintas gerações.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)