Natal

Celebremos a data mais hipócrita do ano /premium

Autor
34.025

Vamos comer mais do que o necessário, beber até vomitar verdades que a nossa covardia esconde o ano inteiro. Vamos empurrar restos de comida para o lixo, enquanto rezamos pelos pobres. Vamos celebrar.

Vamos celebrar! Vamos nos sentar ao redor de uma mesa farta, com a família unida, numa noite bela, de luzes, cores e sabores.

Vamos fingir que o único sentimento presente ali é o afeto e que ninguém fala mal dos outros atrás das portas. Vamos fingir que ninguém deve dinheiro a ninguém, que ninguém especula sobre a vida alheia e que todos são igualmente bem vindos naquela celebração tão generosa.

Vamos falar sobre a moral e os bons costumes, sobre os princípios religiosos e sobre a importância de manter as tradições, fingindo que ninguém nas nossas famílias desvia dinheiro do fisco, emite faturas falsas, excede os limites de velocidade ou tem relações extraconjugais. Vamos celebrar, vamos jurar de pés juntos que, nessa família, todos merecem as bênçãos divinas.

Vamos comprar um, dois, sete, quinze, vinte e oito presente para as nossas crianças, que certamente compreendem perfeitamente o espírito solidário do Natal. Vamos comprar brinquedos de plástico colorido que serão esquecidos antes do fim do ano, perdidos no meio de outros duzentos e onze brinquedos desnecessários. Vamos comprar lindas roupas para nossas crianças, fabricadas por outras crianças do outro lado do globo terrestre.

Vamos nos juntar em volta da mesa, com nosso vinho de boa qualidade, e falar sobre o quanto a imigração está estragando o nosso país, ao lado de um lindo e trabalhado presépio, que celebra o nascimento do filho pobre de um casal refugiado. Vamos ensinar nossas crianças a duvidarem de muçulmanos, ciganos, árabes e africanos, enquanto contamos a elas a importância de seguirem o caminho trilhado por Jesus Cristo.

Vamos doar comida aos pobres e postar fotos das doações nas nossas redes sociais, para receber dezenas de likes e elogios pela linda conduta. Vamos celebrar a caridade, enquanto, ao longo do ano, falamos mal de todos os projetos de inclusão social. Vamos comprar lindos presentes para nossos parentes idosos aos quais não dedicamos tempo nenhum ao longo do ano.

Vamos comer muito mais do que o necessário, vamos beber até vomitar verdades que a nossa covardia esconde o ano inteiro. Vamos entupir nossas crianças de açúcar e de egoísmo. Vamos deixar as mulheres levarem todos os pratos para a cozinha, enquanto os homens continuam discursando na mesa da sala. Vamos usar o garfo para empurrar restos de comida para o lixo, enquanto rezamos pelos mais pobres. Vamos celebrar.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Nos desculpem, queridos millennials /premium

Ruth Manus
1.332

Millennials, nos desculpem. Tem uma parcela de culpa de todo mundo nisso. Dos pais, da escola, do mercado de trabalho, da indústria, das redes sociais. E, sim, temos coisas a aprender com vocês.  

Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias

Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Cristianismo

A douta ignorância dos sábios /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.183

Abundam os improvisados comentários teológicos, cozinhados à pressão na Bimby da opinião pública. Já faltou mais para um Prós e Contras sobre a virgindade de Maria …

Jesus Cristo

Narrativas evangélicas do Natal

Anselmo Borges
159

A Igreja só se justifica enquanto vive, transporta e entrega a todos, por palavras e obras, o Evangelho de Jesus, a sua mensagem de dignificação de todos, mensagem que mudou a História.

Natal

A revolução divina

Luis Teixeira
180

O livre arbítrio é central na mensagem cristã e significa uma ruptura clara na História. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar que cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)