Rádio Observador

Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

Distância, tecnologia e inovação na indústria da moda

Autor
  • Celine Abecassis-Moedas
170

Havendo argumentos a favor do "reshoring", bem como elementos que mostram que a tecnologia está a tornar mais fácil o trabalho à distância, qual a melhor estratégia numa perspetiva de inovação?

A tecnologia digital deveria tornar a distância geográfica irrelevante. As empresas que têm de gerir a distância recorrem ao apoio das tecnologias digitais, mas ao mesmo tempo para estimular a inovação, as empresas muitas vezes têm que reduzir a distância. Na indústria europeia da moda encontramos empresas que gerem um portfolio complexo de múltiplas localizações.

Depois de uma longa e forte vaga marcada pelo offshoring em países de baixo custo, como a China, surgiram limitações a esse modelo: custos ocultos na logística, na qualidade e na coordenação, contrafação, impacto negativo no ambiente, más condições de trabalho e aceleração na mudança de tendências. Um estudo recente realizado pelo Boston Consulting Group mostra uma redução do gap entre os custos laborais na China e nos Estados Unidos, devido a um aumento dos custos laborais na China e da produtividade nos EUA. Antevê-se portanto, uma onda de reshoring em várias indústrias.

Ao mesmo tempo, o desenvolvimento de tecnologias veio simplificar significativamente as comunicações globais. Houve quem inclusivamente previsse que a tecnologia digital iria tornar irrelevante a distância geográfica. A cloud, assim como as plataformas de inovação on-line estão a tornar o offshoring mais simples.

Podemos encontrar argumentos a favor do reshoring, bem como elementos que mostram que a tecnologia está a tornar mais fácil o trabalho à distância. Qual a melhor estratégia numa perspetiva de inovação? Qual o papel desempenhado pela tecnologia?

Ao focar na capacidade de inovação das empresas, o offshoring tem sido percebido como um desafio. Na indústria da moda, por exemplo, a inovação de produto está diretamente ligada ao processo de produção. Como consequência, o design não devia ser separado da produção. Por esta razão, recomenda-se co-localizar as duas actividades, o que para muitos significa a manutenção do processo de produção no país de origem. Nesse sentido, a inovação é mais um argumento a favor do reshoring. Um estudo aprofundado de 20 empresas europeias que operam na área da moda, realizado pela CATÓLICA-LISBON e pela ESCP Europe Lectra Chair, mostra um cenário mais complexo. Em primeiro lugar, mais do que uma clara mudança para reshoring ou offshoring, as empresas de moda europeias estão a adotar aquilo a que chamamos de “multi-shoring”, ou seja, um portefólio complexo de múltiplas proveniências, de acordo com os produtos e o seu nível de inovação. Uma das empresas, por exemplo, realiza um terço da sua produção na Europa (incluindo Portugal) e dois terços na Ásia, e em alguns casos o mesmo produto é fabricado na Europa em pequenas séries no início e para o reabastecimento no final da estação, e na Ásia em grandes volumes, durante a estação.

Concluindo, a indústria da moda mostra que a distância entre o design e a produção para uma inovação otimizada, pode ser gerida de formas diferentes, seja através da efetiva redução da distância geográfica, ou da utilização da tecnologia para minimizar os efeitos da distância, e muitas vezes, de ambas. Estas estratégias podem servir de exemplo para outras indústrias que pretendem utilizar o offshore, sem comprometer a inovação.

Professora Associada da Católica Lisbon School of Business & Economics

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)