Rádio Observador

Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Autor
1.568

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Muito recentemente, foi notícia o pedido de fiscalização da constitucionalidade da Lei n.º 38/2018, de 07 de agosto, relativa à «autodeterminação da identidade de género e expressão de género».

Trata-se de uma iniciativa de 86 deputados (mais de um terço do Parlamento), pedindo ao Tribunal Constitucional que se pronuncie sobre a conformidade com a Lei Fundamental das disposições contidas no art. 12.º do diploma que preveem a orientação do ensino e da educação de acordo com os pressuposto da gender theory.

Em causa está saber se a modelação do ensino segundo tais pressupostos configura ou não uma violação da proibição do Estado programar a educação e a cultura segundo diretrizes «filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas», tal como assegurado no art. 43.º CRP.

A decisão do Tribunal Constitucional não é simples. Exige, em primeiro lugar, determinar se a gender theory – tal como se foi consolidando em finais do séc. XX e implementando em inícios deste século – é uma verdadeira ideologia ou tão só uma expressão aggiornatta de direitos e liberdades individuais. Exige ainda do Tribunal Constitucional a finura de análise (e a não menor coragem) de distinguir entre o que são as causas justas – quanto às quais todos estaremos de acordo – e o fundamento antropológico que as sustenta em algumas agendas políticas, fundamento esse em relação ao qual não é legítimo que se exija uma concordância cega.

Tudo isto, num ambiente de verdadeiro terror mediático, ditado por um totalitarismo da opinião pública que não admite vozes dissonantes.

Impõe-se, portanto, uma reflexão serena e desapaixonada sobre uma questão central para a nossa cidadania.  Impõe-se, sobretudo, que não fiquemos aprisionados num discurso emocional, enjeitando as questões que a razão sempre coloca a discursos tendencialmente hegemónicos.

Igualdade e diversidade género são o mesmo que ideologia de género?

Certamente que não. A ideologia de género nada tem que ver com os Direitos do Homem nem com a plena igualdade entre homens e mulheres em todos os campos da vida social, cultural, económica, política, etc. O que está em causa não é, portanto, a elementar justiça entre homens e mulheres na igualdade de acesso ao trabalho, à educação, à saúde, à participação em todos os níveis da organização social, económica e política. Nada tem que ver, também, com a vida sexual de cada um. Menos ainda com o respeito pela auto-determinação pessoal, numa sociedade cada vez mais plural e diversificada.

O que está em causa na ideologia de género é uma nova concepção de pessoa: uma nova resposta à pergunta «o que é o Homem».

Do ponto de vista antropológico, a ideologia de género promove uma nova compreensão da corporeidade: da relação do sujeito com o seu corpo. O corpo passou a ser visto como um objecto extrínseco ao sujeito (que não constitui aquilo que ele é). A masculinidade e a feminilidade são compreendidos como puros produtos sociológicos – ditados por uma maioria cultural dominante –, e absolutamente autónomos e independentes da realidade biológica.

A noção de pessoa torna-se, assim, uma categoria descarnada. Nada nem ninguém a condiciona, nem sequer a sua própria biologia. O sujeito, assim compreendido, é o que quiser ser, em cada momento da sua existência histórica.

Se estamos diante de uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Por uma razão simples: porque a ideia ocupa o lugar da realidade. A compreensão da masculinidade e da feminilidade que subjaz à noção de gender parte de uma ideia pré-concebida que vive em constante tensão com a realidade empírica – começando pela própria biologia – e, por isso, deseja alterá-la.

Daqui resulta um forte vocação interventiva: quando a realidade e a própria ciência exata desmente a ideia, a resposta de uma ideologia nunca é a inversão de rota, mas sempre a modificação (agressiva, se necessário), da própria realidade. Sacrifica-se o real, por mais científico que seja, no altar da ideia.

A ideologia de género partilha ainda uma visão da realidade típica do materialismo dialético. A luta de classes sociais é agora substituída por uma luta de classes sexuais: «assim como a meta final da revolução socialista era não só acabar com o privilégio da classe económica, mas também com a própria distinção entre classes económicas» – recordava Firestone, em 1970 –,  o que está agora em jogo é «não simplesmente acabar com o privilégio masculino mas com a própria distinção de sexos: as diferenças genitais entre os seres humanos já não importarão culturalmente» (The Dialectic of Sex – The case for feminist revolution. New Iork: William Morrow and Company; 1970, 11).

Uma modelação do ensino sob estas coordenadas (tal como existe) é, claramente, uma orientação ideológica de educação. Educar os nossos filhos na liberdade e respeito pelo outro, não autoriza ninguém – muito menos o Estado – a definir o que é um homem e uma mulher.

Apesar de todo o ruído de fundo, é isto – e apenas isto! – o que está em jogo nesta iniciativa parlamentar!

Doutor em Direito; Professor da Faculdade de Direito de Lisboa

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

O CDS fecha-se na casa de banho /premium

Miguel Pinheiro
1.427

À esquerda, há muitos devaneios relativos à igualdade de género que o CDS podia criticar. Mas, neste caso, preferiu criar um mundo de fantasia para poder ficcionar uma guerra cultural que não existe.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)