Rádio Observador

Democracia

Inglaterra e França: a abstenção tem vantagens?

Autor

As eleições em Inglaterra e em França sugerem que a abstenção é tão importante como a participação para um governo democrático ser possível.Em França, o poder de Macron vem da abstenção.

Vale a pena comparar as eleições britânica e francesa da semana passada, apesar das diferenças de sistema político, economia, integração europeia, etc. Porque é que Theresa May falhou e Emmanuel Macron venceu?

Se atendermos apenas à votação, o fracasso de Theresa May não é evidente. May obteve o melhor resultado do Partido Conservador desde 1979: 13,6 milhões de votos e 42,4% do total. Com um resultado pior (11,3 milhões e 36,9%), David Cameron teve uma maioria absoluta em 2015. O que correu mal? Isto: os Trabalhistas de Jeremy Corbyn conseguiram também a maior mobilização eleitoral em vinte anos, impedindo os Conservadores de ganhar os mandatos que deveriam ter normalmente ganho.

Estas foram as eleições mais participadas dos últimos anos no Reino Unido, e aquelas em que Conservadores e Trabalhistas, juntos, tiveram maior percentagem do voto. O resultado foi um parlamento “pendurado”. As notícias são más para os Conservadores, mas só as baixas expectativas iniciais impedem que se note que são ainda piores para os Trabalhistas: com a maior votação desde 1997, ficaram a uma distância de 55 deputados do primeiro lugar.

Isso revela o segredo das vitórias eleitorais no passado: foram obtidas, não apenas pela mobilização dos apoiantes dos vencedores, mas pela abstenção dos apoiantes dos derrotados. O que aconteceu nestas eleições é que todos, vencedores e derrotados, conseguiram mobilizar-se, cancelando-se uns aos outros. Em princípio, devia agora haver negociação ou coligação. Mas o problema é que a mobilização eleitoral foi conseguida à custa da demonização do adversário. May denunciou Corbyn como um esquerdista pronto para destruir a economia e render-se aos alemães; Corbyn acusou May de ser uma neo-liberal decidida a destruir o Estado social e isolar o país na Europa. De facto, Corbyn é sustentado por um movimento da extrema-esquerda, que jamais aceitará negociar com os Conservadores. May tentou “moderar” os Conservadores e era uma europeísta. Mas para mobilizar votos, teve de fingir-se convertida ao “hard Brexit” e agora vai depender da extrema-direita do Ulster.

No Reino Unido, a participação tornou mais difícil governar o país. Em França, pelo contrário, a abstenção vai facilitar a vida ao governo. A eleição legislativa francesa de domingo foi das menos participadas de todos os tempos, tal como a segunda volta das presidenciais de Maio (especialmente se contarmos com os votos nulos). Mais de metade dos franceses não se deram ao incómodo de ir votar. Mas o resultado da abstenção foi, das duas vezes, um enorme mandato para Emmanuel Macron, com os outros partidos reduzidos a expressões mínimas. Macron foi eleito e terá uma grande maioria de governo, não apenas pela mobilização dos seus eleitores, mas graças à maciça desmobilização dos eleitores dos outros partidos.

É de bom tom dizer que a democracia vive da participação. Isso é verdade, mas só até certo ponto. Num país de opiniões divididas em partes iguais, uma participação elevada servirá apenas para projectar essa divisão nas assembleias representativas. E se tiver sido obtida, como no Reino Unido, pela demonização do adversário, dificultará depois os entendimentos necessários para governar regularmente. O trunfo de Macron é que ninguém (ainda) o odeia. A direita bem tentou expô-lo como um socialista disfarçado, a esquerda cansou-se a descrevê-lo como um neo-liberal encoberto. Inutilmente. Macron tem uma retórica de cidadania participativa. Mas o segredo da sua vitória não está na participação, mas na abstenção. Parece ser esse o segredo para um governo democrático ser possível num ambiente de polarização política.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Democracia

Ainda Hong Kong, Macau e a Democracia

Ricardo Pinheiro Alves

Hong Kong e Macau reflectem a diferença entre 330 anos de construção lenta e gradual, mas consistente, de Liberdade e Democracia no Reino Unido, e apenas 44 anos nem sempre consensuais em Portugal.

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Ricardo Pinheiro Alves
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)