Política

Já há um “bloco central”: entre Marcelo e Costa /premium

Autor
305

António Costa necessitou desde 2015, e continuará a precisar, de um atestado de moderação. Foi o que o Presidente da República lhe deu, e continuará a dar, pelo menos até ao fim do seu mandato em 2021

1. Há quem se interrogue se Rui Rio quer fazer uma coligação com o PS, e o próprio por vezes parece querer um entendimento com os socialistas. Para que serve um entendimento político entre o PS e o PSD? Pode servir, em primeiro lugar, para ajudar o país a lidar com uma crise grave. Portugal, neste momento, não enfrenta qualquer crise.

O bloco central também pode ser necessário para reformas que exijam, por exemplo, uma revisão constitucional. O PS não quer fazer reformas e muito menos revisões constitucionais. Os socialistas querem manter as coisas como estão. As reformas necessárias, sobretudo as impopulares, que as façam o PSD e o CDS.

Por fim, um bloco central, ou um entendimento parlamentar entre o PS e o PSD, pode servir para construir uma maioria que sustente o governo. Mas Costa já tem uma maioria parlamentar. Se não conquistar uma maioria absoluta em Outubro, a prioridade será continuar aliado à extrema esquerda. Um governo socialista assente numa coligação com o PSD enfrentaria uma oposição mais dura e radical do que enfrenta a aliança das esquerdas. Costa não parece ser um político que procure problemas. Pelo contrário, tudo faz para os evitar. Um entendimento com o PSD, mesmo o de Rio, só lhe causaria confusões e sarilhos.

A frente das esquerdas só causa um problema sério a Costa: há o risco de colocar os socialistas numa posição demasiado radical, com custos ao centro. Por isso, necessitou desde 2015, e continuará a precisar, de um atestado de moderação. Foi o que o Presidente da República lhe deu, e continuará a dar, pelo menos até ao fim do seu mandato em 2021. O “óptimo entendimento” entre Belém e São Bento legitimou a geringonça. Ora, Rui Rio nunca poderá dar a Costa, em termos de legitimidade política, o que Marcelo dá.

O entendimento entre Marcelo e Costa dispensa o apoio de Rio a um futuro governo socialista. Será que Rui Rio não entende a natureza da relação política entre Marcelo e Costa? Em linguagem acessível a Rio, é fácil de explicar: os poderes máximos da Corte de Lisboa não precisam do apoio de um político do Norte. Para Costa e Marcelo a principal qualidade de Rio é não ser Passos Coelho. Mais do que isso, dispensam.

Por fim, o apoio de Marcelo ao governo de Costa não afetará a sua reeleição. O Presidente da República só tem que garantir que não aparece um candidato forte no espaço da direita. Enquanto a sua popularidade continuar alta, ninguém à direita pensará em Belém. A reeleição de Marcelo será um passeio, com muitos beijos, muita dança e selfies para todos os gostos. É isto que a maioria dos portugueses gosta. Porque nos havemos de maçar?

2. De cada vez que se fala no Novo Banco, já sabemos que Miguel Sousa Tavares e Pedro Marques Lopes vão aparecer a atacar o anterior governo. Para estes grandes defensores de Salgado e de Sócrates, só Passos Coelho e Maria Luís Albuquerque é que devem um pedido de desculpas aos portugueses. Nunca os vi escreverem que Sócrates e Salgado talvez devessem também pedir desculpa aos portugueses. Segundo estas duas mentes lúcidas, Salgado fez um trabalho óptimo à frente do BES e Sócrates foi um grande PM. Passos Coelho foi obviamente o culpado da falência do BES e de Portugal.

MST e PML gostavam mesmo era do Portugal de Sócrates e de Salgado. Ainda não conseguiram perceber como acabou esse Portugal. E já lá vão oito anos. Obviamente, nunca conseguirão entender.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida
138

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

PS

O que se passou nos anos Sócrates? /premium

João Marques de Almeida
3.291

Meu caro Dr António Costa, não é apenas Joe Berardo que deve pedir desculpa aos portugueses. O PS também o deveria fazer pelos erros graves que o seu governo cometeu entre 2005 e 2011. 

Extremismo

Os fascistas da saúde /premium

João Marques de Almeida
2.671

O Bloco e o PCP (e o PAN para lá caminha) são os fascistas da saúde em Portugal. Têm dois objectivos: terminar com a iniciativa privada na saúde, e acabar com a liberdade de escolha dos cidadãos.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos
573

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Política

A direita em crise?

Luiz Cabral de Moncada

A perda de terreno eleitoral pela direita só significa que a esquerda assimilou o que aquela de melhor tem, o liberalismo económico e social. Está em crise? Não, já ganhou no terreno das ideias.

Ministério Público

A democratura em roupão e com unhas

José P. Ribeiro de Albuquerque.
621

Sobre as propostas de alteração apresentadas pelo PS e PSD, em sede de apreciação na especialidade, à proposta do Governo que visa aprovar o novo estatuto do Ministério Público.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)