Rádio Observador

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
437

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Em quatro anos como primeiro-ministro, António Costa fez aquilo que um governo do centro-direita jamais poderia fazer em Portugal. Incentivou um ministro a presidir ao Eurogrupo, candidatou esse ministro ao FMI, promoveu operações-stop para caçar dívidas de automobilistas a caminho do trabalho, deixou que um banqueiro do setor privado escolhesse a lei que se lhe iria aplicar na Caixa Geral de Depósitos, implantou a maior carga fiscal de sempre, cativou os serviços públicos como nunca e, em jeito de cereja no topo do bolo, vergou um sindicato com a ajuda das Forças Armadas.

Qualquer governo de uma coligação PSD/CDS que se atrevesse a metade do narrado seria, imediatamente, acusado de corresponder à reencarnação lusitana de um tirano. O país pararia para enfrentar tamanha demonstração de autoritarismo e descaramento.

Fora de brincadeiras, é extraordinário como a complacência mediática permite isto ao Partido Socialista depois de tanto escrutínio ao governo anterior, que estava sob intervenção externa. Mais extraordinário ainda é como, de repente, os senhores do PS passaram a ser críticos das ligações partidárias de dirigentes de classes profissionais ou do timing político de manifestações e protestos, quando se fizeram valer de tudo isso durante a sua legislatura na oposição. Claro que a incoerência faz parte da política, onde o passar do tempo e a alternância democrática a tornam inevitável. Olhemos, então, não para o que aconteceu, mas para o que virá a acontecer.

Nestes últimos quatro anos, António Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar – o rigor financeiro, o pragmatismo na gestão do Estado, o europeísmo como indispensável (até para o Bloco de Esquerda, imagine-se) –, o que levanta uma questão simples. Se aquilo que separa os partidos de poder é, hoje, cada vez menos visível, o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Que “só pensam no défice”, quando será Centeno o primeiro a chegar ao 0%? Que se “ajoelham aos credores”, quando foi o mesmo Centeno a pagar tudo o que faltava pagar ao Fundo Monetário Internacional? Que “não respeitam os direitos dos trabalhadores”, depois do modo como o atual governo destratou os motoristas de matérias perigosas? Que “não querem saber do SNS”, quando hoje uma grávida não sabe onde acabará por parir quando entra num hospital público?

Conjunturalmente, é óbvio que a uniformização do discurso político (mais exportações, mais investimento estrangeiro, menos dívida) favorece os incumbentes. Foi assim que Costa roubou a aparência de responsabilidade aos partidos da direita, o que representa uma enorme mais-valia eleitoral, como o PS bem aprendeu em 2015. A sua resposta às crises dos professores e da energia foram exemplos paradigmáticos dessa perceção. No entanto, seria um erro e uma ingenuidade julgar que a uniformização entre os partidos de poder só afetará a direita.

É uma questão de tempo até ficarmos todos sem nada para dizer – e a política regressar à política.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política Externa

A tempestade silenciosa /premium

Sebastião Bugalho

O PS, apesar de não o expor no seu programa eleitoral ou na sua retrospetiva da legislatura, aproximou-se convictamente de Pequim e distanciou-se cautelosamente do tradicional eixo transatlântico.

China

O silêncio português sobre Hong Kong /premium

Sebastião Bugalho

Portugal, um país onde a ecologia é praticamente unânime do ponto de vista político, assinou este ano um memorando que coloca em causa o maior compromisso ambiental do século. Não se ouviu uma palavra

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)