Rádio Observador

Energias Alternativas

“Quando o sábio aponta para a lua, há quem fique a olhar para o dedo”

Autor
  • Miguel Aroso
543

O cientista Guy McPherson diz que “se acha que o ambiente é menos importante que a economia, experimente conter a respiração enquanto conta o seu dinheiro”.

Desde pequeno que ouço o meu pai dizer este provérbio chinês.

Vivemos numa época onde o acesso à informação é tão simples, quanto o acesso à contra informação, por isso,  filtrar uma da outra, transforma-se, por vezes, num processo tão complexo. Nem sempre a base do nosso conhecimento assenta em pressupostos sustentáveis.

Há décadas que falamos da explosão demográfica e do consequente crescimento da atividade humana sobre os recursos naturais, como sendo a principal causa de degradação do ambiente e alterações climáticas.

O tempo passa e, apesar de avisos evidentes, continuamos a olhar para o “dedo”.

Também é verdade que o gigante chinês já despertou para o tema e uma das áreas onde decidiu investir forte foi na energia solar fotovoltaica, alcançando em 2017 potência instalada de 53GW.

O investimento chinês acabou por ter um outro efeito, pois impulsionou a produção mundial e contribuiu decisivamente para o aumento do desenvolvimento e fiabilidade dos equipamentos, bem como diminuição do preço dos mesmos.

Em Portugal continuamos a sentir muita resistência por parte de quem não está devidamente esclarecido e apresentado ao tema. E não é razão para menos. Com taxas de juro da banca nulas, apresentar soluções de investimento às empresas com rentabilidades de 20% a 30% em poupança de energia, (através da produção de energia fotovoltaica), pode ser encarado como “quando a esmola é demais o pobre desconfia.”

Além da tradicional desconfiança portuguesa, a dificuldade em perceber o modelo de negócio, pensando tratar-se de um wishful thinking, e razões de estética, são outros argumentos à resistência.

Se no primeiro, uma contraproposta de sermos nós a investir e pagarmos para usar as coberturas desarma qualquer potencial desconfiado, perceber o modelo – produzirmos a energia que precisamos em vez de a pagarmos à rede – depende do real interesse de quem nos está a ouvir.

Relativamente à questão estética, considero que a perspectiva deve sempre depender da forma como queremos estar e ver o mundo. Não nos devemos deixar influenciar por estereótipos que não promovam o desenvolvimento e produção de energia fotovoltaica com benefícios económicos, ambientais e sociais.

O cientista Guy McPherson diz que “se acha que o ambiente é menos importante que a economia, experimente conter a respiração enquanto conta o seu dinheiro”. Na verdade, mesmo que consideremos que o retorno de investimento em 4 anos pode não encaixar nas metas orçamentais a que nos propomos, não fará sentido para um futuro mais sustentável dos nossos filhos e netos?

Já é hora de deixarmos para as próximas gerações algo mais que dívida, seja ela financeira ou ambiental.

Ah! E já que estamos numa de provérbios, na hora de decidir, é importante lembrar: O barato sai caro!

Sócio Boa Energia

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Energia

Os cidadãos no Plano Nacional de Energia e Clima

Nuno Brito Jorge
145

Uma das (boas) medidas do PNEC é querer atualizar o enquadramento legal do autoconsumo para que, por fim, seja permitida a partilha pelos inquilinos da energia produzida no telhado de um mesmo prédio.

Combustível

Quando a verdade está a banhos…

Nuno da Costa Nata
776

Durante a greve dos motoristas, a violação dos mais basilares princípios da construção democrática foi dinamitada por um silêncio cúmplice e ensurdecedor de uma esquerda sedenta de poder.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)