Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1 Quando começaram os problemas na TAP antes do Verão, escrevi um artigo onde dizia que “António Costa estava a dar a Pedro Nuno Santos a corda com que se iria enforcar.” Costa continua a dar corda a PNS e o ministro agarra-a com força. A frieza e o cinismo do PM são igualmente impressionantes. Em Bruxelas, durante o Conselho Europeu da semana passada, humilhou o ministro tratando-o “como uma má fonte” de notícias sobre o governo. Logo a seguir, respondendo a uma pergunta sobre o caso SEF, o PM afirmou que por regra não se pronuncia sobre política portuguesa quando está fora do país. Nunca assisti a uma humilhação maior de um ministro pelo seu chefe de governo.

Obviamente, PNS já percebeu que as suas aspirações à liderança do PS podem ficar comprometidas. Estou convencido que procurou a votação no parlamento para se poder demitir com honra. Sem a votação, impedida por Costa, uma demissão pareceria uma fuga. Mas PNS ganhou margem política para se demitir no futuro, e tentar salvar as suas hipóteses de suceder a Costa. Se um dia for necessário votar um orçamento extraordinário por causa da TAP, e o governo perder, PNS sairá do governo dizendo que estava certo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.