Logo Observador
Consumo

Há um lugar no mundo onde o vinho é mais barato do que a água

699

Queda da procura internacional e excesso de produto no mercado interno são alguns dos motivos porque, na Austrália, o vinho é mais acessível do que a água. Quem diria?

AFP/Getty Images

É amante de vinho? Se sim, vai acrescentar o país australiano à lista de destinos a visitar em 2015. Isto porque na Austrália, imagine-se, alguns vinhos são mais baratos do que a água engarrafada. Numa ida ao supermercado local é provável que encontre uma garrafa de vinho tinto a menos de um dólar australiano (0,67 euros), enquanto uma garrafa de água engarrafada de 350 ml custa, em média 2,50 dólares (1,7 euros). É só fazer as contas (e as malas).

“Os vinhos estão mais baratos do que uma garrafa de água”, diz o professor Kym Anderson, do Centro de Pesquisa Económica de Vinho de Adelaide, à BBC. Esta não é a primeira vez que tal acontece, muito embora a situação comece a ser preocupante, segundo os especialistas consultados pelo estação pública britânica. Regra geral, os preços estão a ser afetados por diferentes fatores interligados entre si, incluindo as taxas de câmbio recentes, a queda da procura internacional e o excesso de produto no mercado interno.

Por partes. O aumento da moeda australiana em relação ao dólar americano, entre 2011 e 2013, prejudicou a indústria do vinho. É Paul Evans, diretor executivo da Federação de Produtores de Vinho da Austrália, quem o diz. “Uma grande parte do volume que exportávamos regressou ao mercado interno quando a procura internacional pelo nosso vinho caiu.” Por essa razão, a concorrência entre os produtores locais está a crescer, levando à consequente baixa dos preços. “Isso também é um incentivo para as importações e, assim, vimos crescer substancialmente as vendas de vinhos importados no mercado interno”.

Outro fator a ter em conta é o imposto sobre o álcool, o qual varia de acordo com o produto e não com o teor alcoólico que cada unidade acarreta — o vinho e a cidra tem um imposto diferente, por exemplo. Quanto mais barato for o vinho, mais baixo será o imposto, o que pode suscitar uma divisão dentro da própria indústria, assegura Robin Room, investigador que dirige o Centro Turning Point de Álcool e Drogas, em Melbourne.

O duopólio de duas grandes cadeias de supermercados, Woolworths e Coles, também tem a sua quota-parte de responsabilidade. Ambas controlam mais de 70% de todas as vendas de vinho a retalho, situação que gera preocupação entre a Federação de Produtores de Vinho da Austrália: se por um lado esta entidade aplaude o investimento que tem sido feito na indústria pelas respetivas empresas, por outro, afirma que a situação precisa de ser revista.

“Há uma incompatibilidade considerável entre o poder dos retalhistas e os produtores de vinho que está a afetar negativamente a indústria do vinho como um todo”, explica Evans, o que implica que a margem de lucro dos produtores de uva esteja a cair significativamente. Ainda assim, nem todos contestam o poderio do duo de supermercados, os quais chegam a ser vistos como uma ajuda aos produtores de vinhos num período difícil.

De uma forma geral, escreve a BBC, o preço dos vinhos é aceite por alguns produtores e pelos consumidores, além de ser uma “vitória” para os grandes retalhistas. No entanto, a federação faz questão de salientar que a situação não é sustentável. Enquanto o cenário não muda, uma coisa é certa: além do sol, praias, paisagens naturais e qualidade de vida que caracterizam a Austrália, o destino fica agora conhecido por ser um oásis do vinho, pelo menos, no que a preços diz respeito.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral
285

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida
1.401

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Incêndios

Eu vivi um fogo. E vi quem são os heróis

Fernando Leal da Costa

Foi então que os vi. Os populares, como se lhes chama tantas vezes, montados em tratores e pick-ups equipados com depósitos e mangueiras. Chegam e, sem medo, atiram-se ao monstro que crepita fagulhas.