Logo Observador
Neurologia

Morreu o neurologista e escritor Oliver Sacks

Oliver Sacks, o neurologista e escritor, que vendeu mais de um milhão de livros e inspirou filmes, morreu este fim de semana aos 82 anos.

Chris McGrath/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

O neurologista e escritor Oliver Sacks morreu hoje na sua casa em Nova Iorque aos 82 anos, informou a edição online do jornal The New York Times.

O reconhecido autor, tanto pelo público em geral como pela comunidade científica, vendeu mais de um milhão de cópias nos Estados Unidos e a sua obra “Despertares” (1973) sobre um grupo de doentes com casos raros de encefalite foi adaptada ao cinema em 1990 com as interpretações dos atores Robin Williams e Robert De Niro.

“Musicofilia” ou “O Homem Que Confundiu a Mulher com um Chapéu” são outros dos títulos mais conhecidos de Sacks, que estão traduzidos em português.

A assistente pessoal de Sacks, Kate Edagr, confirmou ao diário norte-americano que a causa da morte foi o cancro que foi diagnosticado ao escritor há nove anos.

Num artigo publicado em fevereiro passado no The New York Times, Sacks, que nasceu em Londres, anunciou que o tumor que tinha num olho, e do qual pensava estar curado, tinha formado metástase no fígado e estava em fase terminal.

Oliver Sacks ficou cego desse mesmo olho, após sessões de radioterapia e um tratamento a laser.

Nos seus livros, Oliver Sacks tentava explicar aos leitores síndromes como o de Tourette ou o de Asperger, o que lhe deu grande notoriedade. O escritor recebia mais de 10 mil cartas por ano.

Em fevereiro, no texto publicado no The New York Times, dirigiu-se aos leitores e afirmou: “Devo decidir como viver os meses que me restam. Tenho de vivê-los da maneira mais rica, intensa e produtiva que conseguir”.

No mesmo texto descreveu a sua vida como um “privilégio” e uma “aventura” e concluía que não podia fingir que não sentia medo perante os factos.

“Mas, o sentimento que prevalece em mim é a gratidão”, escreveu então Oliver Sacks.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Sim, isto é mesmo como na Grécia

Rui Ramos

Não é só em Portugal: também a Grécia festeja um resultado orçamental histórico. O método foi o mesmo: reduzir o Estado a controle, empregos, e favores para amigos, e cortar o resto sem piedade. 

Crónica

Ocasiões de choradeira

Miguel Tamen

O maior serviço que a televisão presta é pelo contrário o de proporcionar a quem nela aparece a falar ocasiões de choradeira: dar azo ao apreço que quem fala sente por si próprio.