Panama Papers

Mario Vargas Llosa quis uma conta offshore da Mossak Fonseca, dias antes de receber o Nobel

As investigações dos Panama Papers revelaram que o escritor tinha planeado abrir uma empresa com a sua ex-mulher através da Moosak Fonseca dias antes de receber o prémio Nobel.

Getty Images

O jornal El Confidencial faz parte do consórcio de jornalistas que teve acesso aos Panama Papers e descobriu ligações entre o escritor peruano Mario Vargas Llosa e a Mossak Fonseca. Aparentemente o escritor tinha tentado comprar a Talome Services Corp., empresa offshore, com a sua ex-mulher, Patricia Llosa, em 2010.

Ao contrário de maior parte dos casos, o casal Llosa não tinha a empresa desde início, mas tentou tornar-se acionista maioritário. Para adquirir as ações o escritor terá recorrido à empresa especializada em contas offshore Mossak Fonseca. Para fazer a negociação, os Llosa terão usado Dave Marriner como intermediário. O diretor da empresa holandesa Pan-Invest Management contactou a Mossak Fonseca para comprar as 1000 ações da Talome Services – 500 para Mario Vargas Llosa e 500 para Patricia Llosa.

O processo de compra da empresa começou a ser arranjado no dia 31 de agosto de 2010. Tanto o escritor como a mulher terão assinado os documentos para se tornarem acionistas da empresa, mas as comunicações entre a empresa e o casal foram interrompidas até ao dia antes de Vargas Llosa receber o Prémio Nobel da Literatura, no dia 7 de outubro desse ano.

No dia 6 de outubro Marriner terá enviado um comunicado à empresa onde se pode ler “Quando adquirimos as ações da empresa, fizemo-lo com o requisito de que os meus clientes fossem acionistas maioritários. No entanto, os requisitos dos meus clientes mudaram e, visto que a sociedade ainda não foi estabelecida, querem tornar-se apenas acionistas da empresa.”

Uma semana depois de o escritor de “A cidade e os cães” receber o prémio da Academia Sueca, no dia 12 de outubro o casal Llosa terá vendido as suas ações a privados russos.

Mario Vargas Llosa e a sua ex-mulher já desmentiram a sua ligação com a empresa em questão e afirmaram nunca ter tido contas no Panamá e que sempre cumpriram as suas obrigações fiscais para com Espanha, onde residem, informa o Clarín.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site