Energia Renovável

Portugal usou apenas energias renováveis durante quatro dias consecutivos

6.348

O consumo interno de eletricidade do país foi fornecido apenas por energias renováveis durante quatro dias consecutivos. Durante 107 horas Portugal funcionou a energia eólica, solar e hídrica.

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Durante 107 horas consecutivas o país inteiro funcionou apenas com energia solar, hídrica e eólica. Entre as 6h45 da dia 7 de maio (sábado) até às 17h45 do dia 11 (quarta-feira), Portugal atingiu uma importante meta, tendo conseguido abastecer a rede elétrica do país sem quaisquer emissões de carbono. Além das evidentes vantagens ambientais, o impacto económico foi também positivo, já que reduziu a necessidade de importar carvão e petróleo.

Já desde 2013 que metade da produção de eletricidade no país é assegurada por energias renováveis, mas nunca se tinha conseguido assegurar o abastecimento da rede durante tantos dias consecutivos.

Este é um importante passo para tornar o país dependente apenas de energias renováveis. Esta realidade contribui para uma redução drástica da emissão de gases com efeito estufa, tem um impacto positivo na economia portuguesa porque permite reduzir drasticamente as importações de combustíveis fósseis e ainda permite ao consumidor poupar na fatura da eletricidade, uma vez que os preços praticados seriam mais baixos.

No ano passado as energias renováveis produziram 48% da energia do país, sendo a energia eólica a que mais contribuiu, com 22%.

Portugal tem vindo a apostar nas energias renováveis, particularmente na energia eólica. Foram feitos esforços para melhorar a capacidade de armazenamento de energia, para poder fazer uma melhor gestão dos excedentes e compensar as variações meteorológicas. No futuro espera-se poder exportar o excedente de energia renovável.

No país com maior exposição solar da Europa, a energia solar também deve ganhar relevância, particularmente no verão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Parece que acabou a festa do dinheiro

Manuel Villaverde Cabral

O orçamento para 2018 acabou por se transformar num regabofe demagógico de promessas impossíveis de cumprir. As reformas que o país necessitava ter feito ou foram desfeitas ou ficaram pelo caminho.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site