Logo Observador
Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo lembra que desde o início defendeu entrega de declarações no TC

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou que sempre defendeu a necessidade de os gestores da CGD entregarem as suas declarações Tribunal Constitucional.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou esta sexta-feira que sempre defendeu a necessidade de os gestores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entregarem as suas declarações de rendimentos e património no Tribunal Constitucional.

Questionado em Braga sobre o acórdão hoje publicado no ‘site’ Tribunal Constitucional, que notifica os ex-administradores da Caixa Geral de Depósitos que ainda não entregaram as declarações de rendimentos e património que terão de fazê-lo, Marcelo Rebelo de Sousa foi perentório.

Às vezes, vale a pena ser teimoso, ter a mesma ideia do começo até ao fim ou, dito por outras palavras, ser professor de Direito Constitucional”, acentuou o chefe de Estado à margem do 43º aniversário da Universidade do Minho, em Braga.

O Tribunal Constitucional decidiu por unanimidade que os ex-administradores da CGD que ainda não entregaram as declarações de rendimentos e património vão mesmo ter de o fazer, segundo o acórdão daquele tribunal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Um homem muito perigoso

Paulo Tunhas

É difícil, por estes dias, não pensar o pior de António Costa. A razão do fenómeno está no próprio Costa, nos limites, agora postos à vista de toda a gente, da sua percepção das coisas como estadista.

Maioria de Esquerda

Um dia podemos ser nós

Helena Garrido

A acção do Governo nos incêndios e em Tancos, o caso Gentil Martins e as criticas aos jornalistas são acontecimentos e sintomas que nos convidam a reflectir. Hoje é com os outros. Amanhã não sabemos.

António Costa

Se isto é um primeiro-ministro

José Manuel Fernandes
4.694

Porque é que Costa teve medo de revelar os nomes das 64 (que podem ser 66) vítimas de Pedrógão? Talvez porque tem responsabilidade em muitas medidas e nomeações indissociáveis da tragédia que vivemos.