Logo Observador
Eurostat

Número de pedidos de asilo na UE recuou em 2016 face ao ano anterior

Em 2016, o número de pedidos de asilo apresentados pela primeira vez na União Europeia (UE) foi de 1.204.280, um recuo de 4% face a 2015 (1.257.030), divulgou esta quinta-feira o Eurostat.

ORESTIS PANAGIOTOU/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Em 2016, o número de pedidos de asilo apresentados pela primeira vez na União Europeia (UE) foi de 1.204.280, um recuo de 4% face a 2015 (1.257.030), divulgou esta quinta-feira o Eurostat. De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE, os sírios foram, no acumulado de 2016, quem mais primeiros pedidos de asilo apresentou (334.820), seguindo-se os afegãos (182.985) e os iraquianos (126.955), sendo que estas três nacionalidades representam mais de metade dos pedidos apresentados nos 28 Estados-membros.

A Alemanha foi o país mais solicitado para a concessão de asilo, com 722.265 novos pedidos em 2016, uma subida de 63% face ao ano anterior, representando 60% do total da UE. A Itália foi o segundo país da UE com mais pedidos apresentados pela primeira vez no ano passado, num total de 121.185, mais 46% do que em 2015 (83.245) e a França o terceiro: 75.990, mais 8% do que em 2015 (70.570). A Croácia foi o país em que o número de pedidos mais aumentou de 2015 (140) para 2016 (2.150), numa subida de 1413%, seguindo-se a Grécia: um crescimento 339% de 2015 (11.370) para 2016 (49.875).

No extremo oposto, a Suécia registou a maior quebra nos pedidos de asilo, de 156.110 em 2015 para os 22.330 em 2016 (-86%), seguindo-se a Hungria e a Finlândia, ambas com -84%, de 174.435 para 28.215 e de 32.150 para 5.275, respetivamente. Em Portugal, foram apresentados em 2016 um total de 710 primeiros pedidos de asilo, uma quebra de 18% face ao ano anterior (870). A maioria dos pedidos em Portugal (140,20% do total) foi apresentada por ucranianos, seguindo-se cidadãos congoleses (50,7%) e da Guiné Conacri (50,7%).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidenciais em França

Macron, um Presidente sozinho

Alexandre Homem Cristo

O que há a festejar na (quase certa) eleição de Macron, na segunda volta, para além do facto de ele não ser Le Pen? Nada. Ele é um homem sozinho e sem força política para reformar uma França decadente

Polémica

PHDA e metilfenidato: mitos e realidade

SPDA

Sociedade Portuguesa de Défice de Atenção 
responde a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos sobre hiperatividade, défice de atenção e consumo de metilfenidato em Portugal.