Logo Observador
Ford

Test-drives do futuro serão… no seu sofá

Não admite sequer a ideia de comprar um carro, sem antes fazer o tradicional "test-drive"? Então, o melhor mesmo será começar a encarar as coisas sob um prisma diferente - o da realidade virtual.

Segundo a Ford, com a realidade virtual, abre-se um mundo de possibilidades infinitas. Será possível testar qualquer modelo da marca como, quando, onde e pelo tempo que o cliente quiser. Sem sair de casa

Autor
  • Francisco António

Numa época em que a tecnologia consegue surpreender-nos a um ritmo acelerado, a última “surpresa”, no que ao sector automóvel diz respeito, chega-nos através da chamada realidade virtual, com a Ford a prometer que, um dia, será possível testar qualquer um dos seus modelos não da forma a que estamos habituados, mas sim comodamente sentados no sofá lá de casa.

Apostada em integrar totalmente a realidade virtual nas suas práticas, desde logo no processo de desenho dos seus veículos, a marca norte-americana começa também a explorar as várias formas como esta nova tecnologia pode mudar a experiência de venda de um automóvel. Fazendo uso, por exemplo, de hologramas digitais, através dos quais as pessoas poderão interagir com todos os aspectos do produto, segundo a sua conveniência. Inclusivamente, conduzir.

“É realmente uma tela em branco. É fácil imaginar que, alguém que queira comprar um SUV, possa experimentar o carro nas dunas do deserto, sem sair do conforto de sua casa”, afirma o chefe de Experiência Digital da Ford Motor Company, Jeffrey Nowak. Acrescentando que, “da mesma forma, se estiver no mercado à procura de um carro citadino, poderá estar em casa, descontraído e em pijama, e experimentar o percurso para a escola em hora de ponta, depois de colocar as crianças na cama”.

Descrevendo o test-drive como uma espécie de crucial “primeiro encontro” para o comprador, a Ford acredita que, ao permitir que os clientes experimentem diferentes modelos, num dado momento e lugar que lhes seja mais conveniente, assim como pelo tempo que desejarem, tal ajudá-los-á a construir uma ideia muito mais clara do automóvel desejado, ainda antes de entrarem num concessionário. Sendo que, garante o fabricante, nesta experiência, o cliente poderá inclusivamente sentir o característico cheiro a novo, no seu veículo de eleição.

“Imaginamos que, um dia, o cliente poderá identificar o modelo em que está interessado, desde a cor ao revestimento exacto do seu interior, e quando e onde gostaria de o simular. Esse cenário poderá ser recriado numa base personalizada”, afirma Nowak. Para quem, com a realidade virtual, “não há limite para a profundidade dos detalhes – as possibilidades são infinitas”.

Já o responsável global das operações de Design Interior da Ford, Amko Leenarts, defende que “as pessoas decidem num espaço de três minutos se gostam ou não de um produto”. O mesmo sucedendo com um automóvel: “A partir do momento em que alguém entra no carro, cria conexões com o cheiro, a sensação das superfícies, ou o som da porta do carro a fechar.” E, conclui, “tudo isso muito poderoso”, sobretudo se os designers puderem “ajudar a criar a experiência perfeita para o cliente”.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

O drama da comunidade portuguesa na Venezuela

Daniel Bastos

A falta de segurança e o caminho que a Venezuela parece seguir rumo ao abismo estão a levar muitos emigrantes a regressarem para Portugal, sendo já notório que há cada vez mais a voltarem à Madeira.

Família

Guerra e Paz

Margarida Alvim

Há muitas famílias assim. Conjuntos de pessoas que vivem debaixo do mesmo tecto. Os pais sabem de todos, mas cada irmão sabe de si. A razão só pode ser uma: falta de confiança. E falta de amizade.

Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera