Logo Observador
Incêndios

Dispositivo de combate a incêndios para 2017 é apresentado esta quarta-feira

O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais é apresentado esta quarta-feira na Lousã. Estão envolvidos a Força Especial de Bombeiros, Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR.

No ano passado, registaram-se 13.333 incêndios florestais, menos 18,2% do que em 2015, que consumiram 154.944 hectares, mais do dobro do que em 2015

Paulo Cunha/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF) para 2017 é apresentado esta quarta-feira na Lousã, estando envolvidos a Força Especial de Bombeiros, Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR, bombeiros voluntários, sapadores florestais e Forças Armadas. A apresentação do DECIF para 2017 vai envolver o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a Guarda Nacional Republicana e a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), numa cerimónia que vai ser presidida pelo secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes.

Durante a apresentação do DECIF, vai também realizar-se uma demonstração prática de todas as ações de formação de treino operacional com vista à preparação da época de fogos deste ano, envolvendo esta ação a Força Especial de Bombeiros, Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR, bombeiros voluntários, sapadores florestais e Forças Armadas.

A época de incêndios começa a 15 de maio e termina a 15 de outubro, estando os meios de combate na sua capacidade máxima entre 1 de julho e 30 de setembro, a chamada “fase Charlie”. A época mais crítica em incêndios florestais de 2016 mobilizou um total de 9.708 operacionais, 2.235 equipas, 2.043 viaturas e 47 meios aéreos, além dos 236 postos de vigia da responsabilidade da GNR.

No ano passado, registaram-se 13.333 incêndios florestais, menos 18,2% do que em 2015, que consumiram 154.944 hectares, mais do dobro do que em 2015, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2016.

O RASI adianta que para este resultado contribuiu o elevado número de incêndios ocorridos no período de 10 dias, entre 06 e 15 de agosto, com o registo médio de 320 fogos por dia, que originaram 68% do total da área ardida de 2016, que ficou “acima da média” dos últimos 10 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.