Logo Observador
Moçambique

Governo assina acordo com parceiros para melhorar ensino primário em Moçambique

O Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano de Moçambique assinou um acordo para melhorar a qualidade do ensino primário em Moçambique.

antonio silva/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano de Moçambique assinou esta quarta-feira com os parceiros do Fundo de Apoio ao Setor da Educação (FASE), em Maputo, um acordo para melhorar a qualidade do ensino primário em Moçambique.

O apoio resultará de uma linha de financiamento a ser disponibilizada por diversos países e organizações doadoras que incluem a Alemanha, Irlanda, Portugal, Canadá, Itália, Finlândia, bem como a Parceria Global para Educação, Banco Mundial e UNICEF.

O memorando foi rubricado pela ministra da Educação e Desenvolvimento Humano, Conceita Sortane, que classificou a ajuda como “uma garantia” de envolvimento conjunto para haver “uma educação inclusiva e de qualidade”, sublinhou, citada pela Agência de Informação de Moçambique (AIM).

A ministra apontou como prioridades a melhoria das competências básicas de leitura, escrita e cálculo dos alunos e a capacitação sistemática dos gestores dos estabelecimentos de ensino.

O embaixador da Alemanha em Moçambique, Demev Wolter, representou os parceiros do FASE e considerou que os resultados devem ser “a chave para justificar a angariação de fundos para o futuro”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos 

Terrorismo

Basta!

Gonçalo Dorotea Cevada

Que suposta superioridade moral é essa que não nos permite admitir que o problema não está na suposta falta de integração social, mas na propaganda feita por certas mesquitas localizadas na Europa?

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos