Logo Observador
Ford

Ford projeta cortar milhares de empregos no mundo

A fabricante de automóveis Ford pode demitir até vinte mil empregados em todo o mundo para economizar dinheiro e melhorar a rentabilidade, disse uma fonte próxima da empresa à agência noticiosa AFP.

Os especialistas dizem que 2017 será o primeiro ano de declínio nas vendas de automóveis nos Estados Unidos desde 2009.

CJ GUNTHER/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A fabricante de automóveis Ford pode demitir até vinte mil empregados em todo o mundo para economizar dinheiro e melhorar a rentabilidade, disse esta terça feira uma fonte próxima da empresa à agência noticiosa AFP.

A segunda maior fabricante de automóveis dos Estados Unidos da América (EUA) em termos de vendas, que atualmente emprega 202.000 pessoas a tempo inteiro e parcial, confrontada com a desaceleração do mercado automóvel nos EUA, vai anunciar os cortes no emprego nos próximos dias.

O diretor executivo da empresa, Mark Fields, está sob pressão dos acionistas para clarificar a sua estratégia e espera que as medidas de austeridade lhe permitam economizar cerca de três mil milhões de dólares (2,74 mil milhões de euros) em 2017.

A Ford vendeu 214.695 carros novos em abril, menos 7,2% que em abril de 2016, o que corresponde a uma diminuição geral das vendas.

Os especialistas dizem que 2017 será o primeiro ano de declínio nas vendas de automóveis nos Estados Unidos desde 2009.

“Nós ainda não anunciámos medidas de poupança em relação a empregados e não comentamos especulações”, disse à AFP um porta-voz da empresa.

“Continuamos focados em três prioridades estratégicas que criem valor e provoquem um crescimento do lucro (…) reduzir os custos e tornar-se tão ágil e eficiente quanto possível”, acrescentou.

Mark Fields reforçou os investimentos em tecnologia, comprando empresas emergentes especializadas em inteligência artificial, reforçando a presença da Ford em Silicon Valley (região no oeste dos EUA onde está situado um conjunto de empresas para gerar inovações científicas e tecnológicas) e tentando que a fabricante automóvel faça parte dos primeiros grupos que vão comercializar um veículo sem motorista.

A Ford registou um aumento de 7% dos seus custos no primeiro trimestre, principalmente devido ao aumento dos preços das matérias-primas, à garantia de contratos de qualidade e aos investimentos.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Drones

Onde estamos e para onde voamos?

Marta Duarte

Para a maioria dos casos, vão continuar a existir drones sem registo, e, mesmo os que têm registo, considerando a altura que podem atingir, será impossível a sua identificação à vista desarmada.