Óscares

Jimmy Kimmel apresenta os Óscares em 2018

Jimmy Kimmel voltará a ser, em 2018, o apresentador da cerimónia dos Óscares, os prémios de cinema norte-americanos que este ano ficaram marcados por uma troca de nomes de vencedores.

MIKE NELSON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O norte-americano Jimmy Kimmel voltará a ser, em 2018, o apresentador da cerimónia dos Óscares, os prémios de cinema norte-americanos que este ano ficaram marcados por uma troca de nomes de vencedores.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas anunciou esta terça feira que voltou a convidar Jimmy Kimmel e os produtores Michael De Luca e Jennifer Todd para assumirem o comando da 90.ª edição dos Óscares, marcada para 04 de março de 2018.

“Se pensam que estragámos este ano o final [da cerimónia], esperem para ver o que planeámos para a cerimónia do 90.º aniversário”, disse Jimmy Kimmel, citado pela publicação IndieWire.

O apresentador refere-se ao episódio que marcou a cerimónia deste ano com a troca de envelopes quando chegou o momento de anúncio do prémio para melhor filme.

Os atores Warren Beatty e Faye Dunaway anunciaram “La La Land – Melodia de amor”, nome que estava escrito num envelope com o Óscar de melhor atriz (para Emma Stone), em vez de “Moonlight”.

A consultora PricewaterhouseCoopers (PwC), responsável pelos envelopes com os nomoes dos vencedores, assumiu responsabilidades pelo erro, uma vez que um dos funcionários admitiu ter estado distraído a utilizar o telemóvel, nos bastidores, e que trocou a entrega do envelope correto.

Apesar de manter a parceria de 83 anos com aquela consultora, a academia decidiu proibir o uso de telemóvel aos dois funcionários que, nos bastidores da cerimónia dos Óscares, ficam encarregados dos envelopes com os nomes dos premiados.

Haverá ainda uma terceira pessoa da consultora a verificar a entrega correta dos envelopes e um responsável superior da PwC também nos bastidores da cerimónia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Pelos caminhos de Portugal

Paulo Tunhas

António Costa acha que “este ano foi particularmente saboroso para Portugal”. Houve, é verdade, os mortos dos fogos, houve Tancos, houve o caso da Raríssimas. Mas que importa isso?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site