Logo Observador
Dívida Pública

Estado antecipa pagamento de mais 7 mil milhões ao FMI em 2018 e 2019

A UTAO antecipa que o Estado português vai fazer pagamentos antecipados ao FMI de pelo menos 7,2 mil milhões de euros em 2018 e 2019. Presidente do IGCP já tinha admitido continuar estratégia.

JIM LO SCALZO/EPA

O Governo prevê antecipar o pagamento de 7,2 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2018 e 2019, indicou a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO). Na nota mensal sobre a dívida, a que a Lusa teve acesso, os técnicos que apoiam o parlamento referem que, tendo em conta a última apresentação aos investidores do IGCP, a agência que gere a dívida pública portuguesa, o Governo prevê antecipar o pagamento ao FMI de “6,5 mil milhões em 2018 e pelo menos 700 milhões de euros em 2019”, num total de 7,2 mil milhões de euros.

Inicialmente e sem qualquer antecipação dos reembolsos estava previsto que Portugal começasse a devolver o dinheiro pedido ao FMI apenas em 2019, ano em que deveria pagar 2,5 mil milhões de euros, seguindo-se mais 4,9 mil milhões em 2020 e outros 4,3 mil milhões de euros em 2021.

A UTAO conclui que a informação atualizada do IGCP significa que “implicitamente, encontra-se previsto o reembolso antecipado de 6,5 mil milhões de euros em 2018 e de pelo menos 700 milhões de euros em 2019”, num total de 7,2 mil milhões de euros em 2018 e 2019.

Para 2020 não estão previstos reembolsos antecipados ao FMI e, para 2021, o IGCP espera agora devolver dois mil milhões de euros. Desde que Portugal começou a devolver parte do crédito do FMI antes da maturidade, em 2015, foram já reembolsados mais de 14.500 milhões de euros do envelope total de 26 mil milhões que a instituição liderada por Christine Lagarde concedeu ao país no âmbito do resgate financeiro de 2011.

O pagamento antecipado do empréstimo ao FMI permite poupanças para o Estado, porque a este crédito estão associadas taxas de juro mais elevadas. No entanto, para que o Estado possa realizar estes reembolsos antecipados ao Fundo tem de previamente ser autorizado tanto pelo FMI como pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE).

A presidente do IGCP — organismo que gere a dívida pública —, em entrevista ao jornal Público em fevereiro, já tinha antecipado que Portugal ia pedir autorização à União Europeia e ao Eurogrupo para continuar a antecipar os pagamentos ao FMI. Cristina Casalinho previa, então, que o IGCP iria pagar mais 3,5 mil milhões em 2018 (afinal, são 6,5 mil milhões de euros).

IGCP já deixou de fazer prognósticos sobre subida do rating

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

A vida para além do défice

Helena Garrido

Mário Centeno é o único ministro que pode ir de férias convencido que cumpriu a sua missão. O terrível mês de Julho impediu o Governo de festejar a vitória na economia mas fez história.