Logo Observador
Madonna

A história (e 43 fotos) do palacete de luxo que Madonna pode comprar em Sintra

1.236

Teve uma torre de sinos que foi destruída, ganhou nova vida graças a um traficante de escravos e depois foi deixada ao abandono. Agora, a Quinta do Relógio em Sintra poderá ser de Madonna.

Madonna já terá conseguido comprar a sua casa em Portugal. Não em Lisboa, mas um luxuoso palacete em Sintra que estava à venda por 7,5 milhões de euros pela imobiliária Engel & Volkers, segundo a revista Nova Gente. A Quinta do Relógio, no centro da vila, tem sete quartos, sete casas de banho, três salas e um grande jardim com plantas exóticas e fontes. Com vista para o Castelo dos Mouros e localizado na mesma estrada que leva à Quinta da Regaleira, este palacete do século XVIII tem dois mil metros quadrados de área e tornou-se famoso durante o reinado do rei D. Pedro V. A venda da quinta à cantora norte-americana não foi ainda confirmada ao Observador pela agência imobiliária.

R. Trindade Coelho 1, 2710-567 Sintra, Portugal

O primeiro proprietário do espaço que daria origem à quinta foi D. Fernando Maria de Sousa Coutinho Castelo Branco e Meneses, o 15º Conde de Redondo. A seguir, pertenceu a um milionário chamado Metznar que mandou construir uma torre com sinos que dava horas ao som de minuetes (danças típicas dos séculos XVI a XVIII), daí o nome por que agora é conhecida a propriedade: Quinta do Relógio. No entanto, a torre foi depois destruída em 1800 e não há pistas que permitam saber onde é que esteve erguida. Aliás, pouco se sabe sobre os primeiros tempos da Quinta: aquilo que hoje se sabe foi retirado dos desenhos dos artistas Domingos Esquioppetta e Celestino Brelaz e das notas de um aventureiro inglês que passou por Sintra, William Beckford. Nem os desenhos nem o bloco de notas se referem a uma torre, sugerindo que ela foi destruída ainda antes do início do século XIX.

A seguir, a quinta passou a pertencer ao banqueiro Thomas Horn, que pediu ao arquiteto Thiago Bradell para erguer uma moradia inspirada nos Palácio da Pena e Monserrate. A vida na Quinta do Relógio mudou em 1835, quando foi adquirida por Manuel Pinto da Fonseca, um homem muito rico também conhecido por “Monte Cristo” — saído do romance que Dumas escreveu em 1846 e que se referia à sua vida atribulada e cheia de viagens — que fez fortuna através do tráfico de escravos com o Brasil. Foi a mando de Manuel Pinto da Fonseca que se plantaram pinheiros, palmeiras, cedros, magnólias, fúscias e camélias. Mas de todas as plantas e árvores que cresciam na Quinta de Relógio, foi um dos sobreiros centenários do jardim que chamou a atenção do poeta inglês Robert Southey. Numa viagem a Sintra, o escritor escreveu:

Há (…) aqui uma árvore tão grande e tão velha que um pintor deveria vir de Inglaterra só para a ver. Os troncos e os ramos são cobertos de fetos, formando com a folhagem escura da árvore o mais pitoresco contraste”.

Todo esta exuberância foi usada no projeto do arquiteto António Manuel da Fonseca Júnior, que repensou a quinta para ter inspirações neo-árabes, como imitações de muralhas no topo da fachada e a frase “Deus é o único vencedor” escrita em árabe em três lugares nas paredes de ocre.

Quinta do Relógio. Créditos: Quinta do Relógio/ Facebook

Manuel Pinto da Fonseca era cunhado de Capitolina da Silveira Vianna, mulher do arquiteto que ergueu o palacete na Quinta do Relógio, de quem não teve filhos. Era uma mulher influente na sociedade e tinha casado em segundas núpcias com o apoiante do regime monárquico e religioso José d’Abreu do Couto d’Amorim Novaes, advogado que foi deputado, presidente da Câmara de Barcelos, governador das cidades de Aveiro, Porto e Braga e ministro da Justiça de João Franco. Capitolina pertencia à Direção da Real Associação das Creches e era organizadora da Quermesse da Real Tapada da Ajuda. Próxima à Corte, convidou D. Carlos de Bragança e D. Maria Amélia de Orléans, futuros reis de Portugal, a passar a lua de mel na Quinta do Relógio em 1886.

A mesma árvore que apaixonou Robert Southey também terá encantado D. Maria Amélia, que disse: “Vale mais a sobreira dos fetos do que Cascais e Estoril, tudo junto”. Conta-se também que D. Pedro V, passando um dia em frente à Quinta na companhia do Marquês de Sá da Bandeira e ouvindo o som de um repuxo, terá perguntado:

Senhor, que barulho é este? Certamente é água?”. Mas o marquês terá respondido: “Não, senhor, é o sangue dos negros flagelados pelo chicote que este homem transformou em ouro”.

Quinta do Relógio. Créditos: Quinta do Relógio/ Facebook

Composta já nesta altura por vários edifícios diferenciados, mas entretanto deixada ao abandono, a Quinta do Relógio tornou-se Património da Humanidade da UNESCO em 1997 depois de ter sido formalmente incluída na Paisagem Cultural de Sintra. Em 1998 a Quinta do Relógio foi adquirida por um sueco, Christopher Berglund, que abriu o jardim ao público e decidiu restaurar o palacete e preparar várias galerias com artesanato típico da região. Também se promoveram aqui cursos de pintura e desenho dadas por Michele Silva, concertos de jazz e lançamento de obras literárias.

Foi assim até 2015. Depois, Christopher Berglund colocou a Quinta do Relógio à venda numa imobiliária. De acordo com a descrição dada pela Engel & Volkers dedicada à Quinta do Relógio, a propriedade “carece de obras substanciais de conclusão da reconstrução” que começaram a ser feitas no início do milénio. A Câmara Municipal de Sintra aprovou o projeto que permitiria tornar a propriedade habitável. Um dos planos pensados para a Quinta do Relógio era transformá-la num hotel de charme. Esse projeto foi entretanto suspenso, mas já foram feitas fundações e reforços da estrutura dos quatro pisos com lajes de metal.

Agora, a chave do palacete pode estar a caminho das mãos de Madonna.

Veja como é a mansão histórica, por fora e por dentro, na fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Comida

Gastronomia com Ciência

Hélio Loureiro

Uma das práticas e pontos chaves da dieta mediterrânica é o comer em família, partilhar, conviver. A própria palavra, comer tem esse mesmo significado: com (na companhia de...) e er (repetição).

Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
130

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.