Logo Observador
Aeroportos

Acionista chinês da TAP adquire 51% do operador do Aeroporto do Rio de Janeiro

Acionista da TAP adquiriu a maioria do operador do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. O negócio foi realizado entre o grupo chinês HNA e o grupo brasileiro de engenharia Odebrecht.

O aeroporto internacional do Rio de Janeiro é o segundo mais movimentado do Brasil, com 17 milhões de passageiros no ano passado

Marcelo Sayão/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O grupo chinês HNA, acionista da TAP através do consórcio Atlantic Gateway e da companhia brasileira Azul, adquiriu a maioria do operador do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, informou esta sexta-feira o portal de informação económica Caixin.

O negócio, avaliado em 108 milhões de yuan (13,9 milhões de euros) foi realizado entre a Hainan HNA Infrastructure Investment Group, subsidiária do conglomerado chinês, e o grupo brasileiro de engenharia Odebrecht.

A HNA passa assim a deter 51% dos direitos de controlo do aeroporto, enquanto que a restante participação é detida pelo grupo de Singapura Changi Airport. O grupo chinês compromete-se também a investir 2.160 milhões de yuan (279,2 milhões de euros), para pagar os direitos de licença da infraestrutura.

Ambas as operações necessitam da aprovação de organismos sectoriais e das autoridades anti monopólio da China e do Brasil.

Nos últimos três anos, o grupo HNA investiu mais de 40 mil milhões de dólares em aquisições e investimentos além-fronteiras, convertendo-se num dos maiores investidores internacionais da China.

O grupo tem ainda importantes participações em firmas como Hilton Hotels, Swissport ou Deutsche Bank.

A empresa detém indirectamente cerca de 20% do capital da TAP, através de uma participação de 13% na Azul (companhia do brasileiro David Neelman que integra a Atlantic Gateway) e uma participação de 7% na Atlantic Gateway.

Uma das suas subsidiárias, a Capital Airlines, inaugura este mês o primeiro voo direito entre a China e Portugal.

O aeroporto internacional do Rio de Janeiro é o segundo mais movimentado do Brasil, com 17 milhões de passageiros no ano passado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt