Logo Observador
Curiosidades Auto

Rosemary Smith. Mulher, 79 anos… e piloto de F1

Uma jovem irlandesa de 79 anos decidiu mostrar como se faz, conduzindo um Fórmula 1. Tornou-se a pessoa mais velha a conduzir um carro de corridas com 811 cv de potência. Quem quer uma avozinha assim?

Autor
  • Francisco António

Uma senhora irlandesa de 79 anos, de nome Rosemary Smith, decidiu aceitar o repto para entrar num mundo (maioritariamente) de homens e tornar-se a pessoa mais velha a conduzir um carro de corridas com 811 cv de potência, domando um monolugar de Fórmula 1! E isto – saliente-se – já depois de ter vencido nos ralis.

Nascida em 1937, Rosemary Smith começou por aprender o ofício de costureira, mas a sua paixão pelas quatro rodas, a par dos esforços do pai para que aprendesse a conduzir logo com a idade de 11 anos, levaram a que a irlandesa acabasse por ir parar aos ralis, como navegadora. Função de que não gostou por aí além, levando-a a assumir, ela própria, os comandos.

Já instalada ao volante, Rosemary acabou por alcançar resultados dignos de registo, vencendo não apenas a competição feminina no Circuito de Ralis da Irlanda, como também o Tulip Rally, a mais antiga prova do género realizada na Holanda. E aos 79 anos surgiu-lhe o mais impensável dos convites: pilotar um Fórmula 1.

A proposta partiu da escuderia de F1 Renault Sport e Rosemary, apesar da idade já avançada, respondeu da forma certamente mais inesperada para os responsáveis da equipa francesa: “Sim!” Terminando assim sentada aos comandos de um Renault Sport R.S. 17, para umas voltas ao circuito de Paul Ricard, em França, as quais ficaram registadas em vídeo.

Só lamentamos não ter tido acesso a um dado: o tempo feito por Rosemary. Será que isso iria embaraçar alguns homens? Fica a dúvida e mais um exemplo de que “velhos são os trapos”.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt