Lisboa

Afinal, porque é que todos querem visitar Lisboa?

392

Apesar da fraca publicidade, Lisboa tornou-se num destino turístico popular. Porquê? Para o editor da Monocle, Tyler Brûlé, a resposta está nos empresários que decidiram investir na capital.

Tyler Brûlé acredita que o facto de Portugal estar na "ponta da Europa" também ajudou a tornar o país mais popular

Getty Images for Burda Media

Mais sobre

Melbourne, Hong Kong e Tóquio. Em cada uma destas três cidades, Tyler Brûlé, editor da Monocle e colunista do The Financial Times‎, ouviu falar de Lisboa. Uns perguntavam porque é que toda a gente visita a capital portuguesa, enquanto outros frisavam que valia a pena viajar até lá, um indício claro da popularidade da cidade nos dias que correm. Mas porquê? Afinal, porque é que todos querem visitar Lisboa? Para Brûlé, a resposta não está na publicidade que tem sido feita (que considera ter sido pouca), mas nos inúmeros empresários que escolheram Lisboa ou Porto para fazer os seus investimentos — foram eles que levaram o nome da capital portuguesa aos quatro cantos do mundo.

O interesse dos investidores no país tem a ver, segundo Brûlé, com o “facto de os portugueses ainda fazerem muitas das coisas de que precisamos”. Nesse sentido, Portugal beneficiou no aumento dos custos de produção na Ásia, que obrigou a um número cada vez maior de empresas a procurar alternativas na Europa. “Legiões de designers, gestores de produção e donos de marcas que passavam semanas em fábricas um pouco por toda a Ásia, começaram a voar para o Porto e Lisboa, contribuindo para criar o burburinho em torno das duas cidade”, escreveu o editor da Monocle na coluna de opinião do The Financial Times, “The Fast Lane”. O turismo veio apenas de arrasto, garante Brûlé.

Além disso, Tyler Brûlé acredita que o facto de Portugal estar na “ponta da Europa” também ajudou. “Isso significou que tiveram de lutar um bocadinho mais para se notarem e também para ter o luxo de olhar para a Europa e perceber as oportunidades em vez de estarem no centro e se sentirem complacentes”, disse Tyler Brûlé. “África e as Américas pareciam mais perto (porque estão) e isso também ajudou a atrair visitantes.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site