Greve

Greve dos médicos com uma adesão de 80 a 90% no Norte

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos afirmou que a greve que decorreu esta quarta-feira na região Norte teve uma adesão de 90% nos hospitais e de 80 a 85% nos centros de saúde.

Os sindicatos queixam-se de que estão há um ano em "reuniões infrutíferas" com o Governo

LUSA

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque da Cunha, afirmou que a greve que decorreu esta quarta-feira na região Norte teve uma adesão de 90% nos hospitais e de 80 a 85% nos centros de saúde.

Ao aderirem de forma expressiva à greve convocada pelos sindicatos, os médicos deram ao Governo um sinal claro que devem ser respeitados”, disse.

Nos hospitais de Viana do Castelo e Póvoa de Varzim/Vila do Conde encerraram os blocos operatórios, em Matosinhos apenas uma sala esteve a funcionar com um doente oncológico e, no Porto, estiveram só duas salas abertas, revelou.

Se a isto se adicionar os cerca de 80% de adesão a nível dos Cuidados de Saúde Primários poderemos concluir que estamos perante um sério aviso ao Governo”, vincou o sindicalista.

Jorge Roque da Cunha frisou que os médicos preocupam-se, em primeiro lugar, com os utentes, mas estão “cansados” de serem “discriminados negativamente”.

Acrescentando que “só a intransigência e falta de honestidade negocial” do Ministério da Saúde e do Governo PS fizeram com que os médicos paralisassem.

A recusa em reverter ao pré-troika matérias laborais que não salariais é uma manifestação de obstinação e falta de entendimento”, reforçou.

O sindicalista salientou que recorrer a argumentos financeiros e ao estado do país, quando se alocam centenas de milhões de euros para bancos, é uma “afronta” ao trabalho e dedicação dos médicos ao Serviço Nacional de Saúde.

Esta quarta-feira é a vez de estarem em greve os médicos do Norte e na próxima semana paralisam os da região Centro. Na semana seguinte a greve acontece na zona sul e em novembro haverá um dia de greve nacional.

Os médicos reclamam a redução de 18 para 12 horas semanais no serviço de urgência, bem como a diminuição dos utentes por médico de família de 1.900 para 1.500 utentes.

A greve foi convocada pelos dois sindicatos médicos — Sindicato Independente dos Médicos e Federação Nacional dos Médicos. Os sindicatos queixam-se de que estão há um ano em “reuniões infrutíferas” com o Governo.

Contudo, numa das últimas reuniões, o Ministério da Saúde anunciou ter sido acordada uma das reivindicações sindicais: a redução de 200 para 150 horas anuais obrigatórias de trabalho suplementar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site