Sporting

Com Bas Dost, o Sporting começa a ganhar 1-0. O pior é o resto

Bas Dost tem contas fáceis de fazer: em 42 jogos na Liga, marcou 43 golos. Com o Sp. Braga, o holandês voltou a aparecer. O que não estava nas contas leoninas era mesmo os dois golos sofridos em casa.

Bas Dost correspondeu da melhor forma a um cruzamento de Bruno Fernandes e inaugurou o marcador

AFP/Getty Images

O sintoma mais evidente de que o Sporting está em dificuldades em termos ofensivos é provavelmente o mais simples de identificar: quando só consegue criar lances de perigo na sequência de bolas paradas. Esta noite, foi isso que aconteceu: até aos 60′, Coates (de canto) e Bruno Fernandes (de livre direto) tiveram as únicas oportunidades, ambas travadas de forma excecional por Matheus.

No entanto, há uma espécie de regra estatística que permite aos leões entrar com uma vantagem de 1-0, mesmo não sabendo quando é que esse golo vai aparecer: aos 63′, Bas Dost avisou; aos 66′, Bas Dost marcou. E, com isso, tem um fabuloso registo de 43 golos em apenas 42 partidas realizadas na Primeira Liga. Ao nível dos melhores de sempre, daqueles que conseguiam uma média superior a um golo por jogo.

O problema (além do muscular, que o obrigou a sair a dez minutos do final com o resultado em 1-0) é que, ao contrário do que tem sido normal, a defesa verde e branca claudicou como não tinha acontecido até aqui, sofrendo pela primeira vez dois golos em Alvalade. Aliás, nos primeiros cinco jogos só tinha mesmo consentido dois golos…

Acabou por valer Bruno Fernandes para alcançar uma espécie de mal menor, empatando de grande penalidade e tornando-se, em paralelo, o jogador português com mais golos na Liga (seis). Ainda assim, e por ter perdido seis pontos nos últimos 15 possíveis (duas vitórias e três empates), o Sporting viu o FC Porto alargar a distância na frente para quatro pontos, algo que já não acontecia aos dragões desde… 2013.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Comportamento

A esperança é o café da manhã

Laurinda Alves

O que nos faz agir e transcender em cada dia é a esperança de que alguma coisa se componha, de encontrar sentido para a vida, de evoluir, de perceber mais. E temos esperança pela certeza do inesperado

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site