Quase 24 horas antes de António Costa, atual presidente da Câmara de Lisboa, ter assumido estar “disponível para tudo”, incluindo para disputar a liderança do PS a António José Seguro, aconteceu uma “coincidência cósmica” nas redes sociais: surgiu um grupo no facebook e uma conta no Twitter com o nome “Capacitar Portugal – António Costa 2015”. Um golpe político premeditado ou uma coincidência? 

Foi na final do Portugal Open que Alex Krausz, criador do grupo no Facebook e twitter Capacitar Portugal – António Costa 2015, se encontrou com António Costa. Pelo menos, a primeira vez em que trocaram palavras. O assessor político interrogou o líder socialista da câmara municipal de Lisboa: “Quando é que é que você faz um frete pessoal, mas grande favor nacional?” Alex estava descontente com a liderança do Partido Socialista, explica ao Observador, e falou disso a António Costa numa “conversa franca e divertida”.

Com a vitória tangencial do PS nas eleições para o Parlamento Europeu, Alex decidiu que devia tentar chamar a atenção para a situação interna do partido, porque diz acompanhar “com muita preocupação” a situação política em Portugal. No final do dia de ontem, segunda-feira, saturado com a situação política e impulsionado pelos resultados das Europeias, Alex criou “de forma independente” um grupo no Facebook e uma conta no twitter com o mote “Capacitar Portugal – António Costa 2015”. O objetivo? Promover uma mudança na liderança do partido. Com o que ele não contava era que António Costa fosse mesmo dar o passo em frente.

Foi depois de uma cerimónia em homenagem a Maria José Nogueira Pinto, numa praça de Lisboa com vários ministros e membros da coligação de direita, que Costa falou com os jornalistas e deu a novidade, depois de dizer que recebeu muitos telefonemas desde domingo, quando o PS teve uma vitória tímida nas europeias, Costa concluiu: “A maioria dos socialistas e muitos cidadãos acham que posso” protagonizar “uma mudança no país. “Estou disponível para assumir a responsabilidade de liderar essa mudança”, disse esta manhã.

“Hoje de manhã ganhou uma dimensão viral”, conta Alex Krausz. Telefonemas, mensagens no facebook. Já teve de carregar o telemóvel duas vezes, tudo graças a uma situação que apelida de “coincidência cósmica”. Quando recebeu a notícia de que António Costa se mostrou disponível para assumir a liderança do Partido Socialista, diz ter estado “a rir durante dez minutos compulsivamente” com a mulher, ao almoço. Nada disto foi premeditado, segundo o próprio em declarações ao Observador. 

Depois de receber a notícia, e tendo noção da “viralidade” das páginas que criou nas redes sociais, Alex diz já ter telefonado para António Costa e conseguido falar com alguém próximo do presidente da Câmara Municipal de Lisboa. O “promotor independente” da campanha nas redes sociais queria saber qual o interesse de Costa em “exponenciar mais esta iniciativa”, caso avance mesmo para a liderança do PS, mas ainda não teve resposta. “As hashtags pegaram”, diz o assessor político, que acha que o nome da campanha, Capacitar Portugal, também é uma das razões do sucesso deste movimento na internet. “Isto está a correr muito bem”, conta Alex, que se se afirma “disponível para servir um Obama ou um Zukerberg a qualquer momento” numa das suas páginas pessoais.