Rádio Observador

Fundo Monetário Internacional

“É bom estar aqui”, disse Vítor Gaspar na primeira entrevista ao site do FMI

Ex-ministro das Finanças vai liderar o departamento dos assuntos orçamentais. Diz que, enquanto governante, a experiência com o FMI foi fundamental para Portugal arrecadar impostos e reduzir despesa.

Vítor Gaspar diz-se concentrado no próximo desafio que tem no FMI

AFP/Getty Images

Vítor Gaspar já se instalou sua nova casa, o Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, e já deu a primeira entrevista ao site da instituição, como responsável pelo departamento dos assuntos orçamentais. Depois de explicar o percurso profissional, o ex-ministro das Finanças explicou como a demografia do mundo afeta cada país e de como o FMI é fundamental na assistência técnica aos países. No final, disse que gostava de fazer desporto e de jogar ténis nos tempos livres.

Usou uma gravata às bolinhas e assim que a entrevistadora Gita Bhatt, do departamento de comunicação, lhe disse “bem-vindo ao Fundo”, Vítor Gaspar sorriu e respondeu: “É bom estar aqui”. Seguiram-se seis perguntas com o intuito de apresentar o português que “ocupou altos cargos” e que foi, inclusivamente, “ministro das Finanças durante um período crítico”.

Depois de desfiar o currículo desde a década de 1980 e de mencionar os organismos portugueses e europeus por onde passou, o ex-ministro das Finanças afirmou estar concentrado no próximo “desafio”. O de “liderar um reconhecido centro internacional de finanças públicas por excelência”, disse. Quanto à sua opinião sobre o FMI e os seus funcionários, Gaspar lembrou que, já no final da década de 1980, tinha tido a oportunidade de trabalhar na instituição. Era um “jovem economista”, mas ficou com a “percepção de um excelente ambiente de trabalho” e útil “para os economistas crescerem”.

Por outro lado, lembrou, também lidou de perto com o FMI enquanto ministro das Finanças em Portugal, entre 2011 e 2013.

Lidei mais com o pessoal do departamento europeu para os assuntos orçamentais” a propósito do pedido de ajuda financeira. “Mas também pedimos ajuda técnica”, disse. “Os resultados foram imediatamente visíveis na nossa capacidade de aumentar a recolha de impostos e controlar a despesa”.

Confrontado com os principais desafios da economia a nível global, o ex-governante afirmou que há diferentes desafios, mas destacou a questão demográfica. “O mundo está em transição para uma situação de estabilidade ou mesmo de declínio da população. E isso tem uma grande influência nas finanças públicas”, disse.

Para muitos países, acrescentou, “o desafio é combinar a redução da dívida com o crescimento e a criação de emprego”. E referiu que o departamento “já está a trabalhar nesta matéria e a procurar ligações entre a política fiscal e o desemprego”. Vítor Gaspar falou ainda nas dificuldades das economias emergentes “por causa das condições de financiamento externo e do lento crescimento” para, a seguir, referir-se ao problema dos “países cujo crescimento assenta em créditos bancários”.

E quanto a prioridades? “Terei uma melhor resposta daqui a alguns meses”, respondeu. Mas acabou por referir que a prioridade do departamento que vai dirigir “é promover serviços de alta qualidade aos estados” e “continuar a dar assistência técnica”. Neste momento, diz, cerca de 100 países beneficiam de assistência técnica.

Só a última questão colocada por Gita Bhatt foi mais pessoal. O que gosta de fazer nos tempos livres? Vítor Gaspar respondeu que gosta de passar tempo com a família, ler, ouvir música, ir ao ginásio e jogar ténis.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)