Jeddah, Arábia Saudita, 21 jun (Lusa) – O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, disse hoje que a Rússia está preocupada com a “intensificação” da operação militar ucraniana, apesar do plano de paz e do cessar-fogo unilateral de Kiev. “O facto de a dita operação antiterrorista [da Ucrânia] conhecer uma intensificação paralela ao avanço de um plano de paz é muito alarmante e preocupante”, disse Lavrov, durante uma viagem à Arábia Saudita.

“O território russo já foi alvo de tiros e houve estragos e feridos em território russo. Não sabemos o que acontecerá aos feridos dos tiros de morteiro”, acrescentou o ministro russo. Serguei Lavrov considerou que ao plano de paz do presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, falta um “elemento essencial, as negociações”.

“É radicalmente diferente da declaração de 17 de abril em Genebra que foi apoiada pelos nossos parceiros ocidentais e as autoridades ucranianas, pelo menos verbalmente, e que foi assinada por eles”, disse Lavrov. O plano de paz, de 15 pontos, estipula nomeadamente o fim da “ocupação ilegal” dos edifícios da administração regional em Donetsk e Lougansk, leste da Ucrânia, controlados pelos rebeldes pró-russos, a organização rápida de eleições legislativas e um programa para a criação de empregos na região.

Prevê ainda “a garantia de um corredor para permitir aos mercenários russos e ucranianos partirem” e a proteção da língua russa através da introdução de emendas à Constituição.

Em Kiev, as autoridades denunciaram hoje um ataque dos separatistas após o cessar-fogo unilateral enquanto o presidente Vladimir Putin colocou as forças armadas do centro da Rússia em “alerta máximo”.

O presidente Poroshenko decretou sexta-feira um cessar-fogo de uma semana para permitir aos rebeldes abandonarem as armas, no quadro do plano de paz para por fim à insurreição separatista no leste da Ucrânia, que já fez 375 mortos desde abril e ameaça a unidade do país.