A final de Wimbledon entre o suiço Federer e o sérvio Djokovic, no domingo, pode ser histórica. Caso o sérvio vença ultrapassa Rafael Nadal e sobe ao primeiro lugar do ATP. Em caso de vitória de Federer, o tenista suíço torna-se o primeiro a vencer por oito vezes o torneio londrino.

Nesta altura, Roger Federer conta com sete títulos em Wimbledon, os mesmos que o seu ídolo Pete Sampras e William Renshaw, e vai participar na sua nona final do torneio. Para chegar a esta final, o suíço venceu nas meias finais o canadense Milos Raonic, em três sets por 6-4, 6-4 e 6-4. No final da partida, Federer admitiu que foi difícil chegar ao jogo decisivo, mas mostrou também confiança. “Não foi fácil chegar à final, mas consegui. Agora espero fazer uma grande partida com Djokovic. Já ganhei aqui no passado, sei como fazer”, confessou o tenista.

O sérvio Djokovic vai tentar ganhar pela segunda vez o torneio londrino e desta forma, alcançar novamente o primeiro lugar do ATP, passando o espanhol Rafael Nadal. Nas meias finais, o tenista sérvio venceu o búlgaro  Grigor Dmitrovo, quatro sets, por 6-4, 3-6, 7-6 e 7-6. Para esta final, Novak Djokovic mostrou com muita vontade de a jogar  e tentar vencer. “Como perdi as minhas duas últimas finais do Grand Slam estou muito motivado para jogar mais uma”, avisou o sérvio de 27 anos.

Os dois tenistas já se encontraram por 34 ocasiões, tendo Federer uma ligeira vantagem (18 vitórias para o suíço e 16 para Novak). Apesar das várias partidas, os dois atletas apenas se encontraram por uma vez numa final, no US Open de 2007, tendo a vitória sorrido ao tenista suíço. No domingo, às 14 horas na SportTV, há mais uma partida entre estes dois grandes tenistas. O espetáculo está garantido, vamos ver quem vai sorrir no final.