Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A agência de rating canadiana DBRS cortou hoje o rating do Espírito Santo Financial Group, que gere as participações financeiras do GES onde está o BES, em cinco níveis, de BBB (low) para B, demonstrando “preocupações significativas” com a deterioração da posição financeira do grupo.

Na decisão, a agência diz que entre as preocupações que a levam a fazer este corte de cinco níveis no rating do ESFG também está o elevado nível de incerteza da dimensão da exposição a ligações a outras entidades do Grupo Espírito Santo.

A DBRS considera que o ESFG está vulnerável à deterioração financeira das entidades do GES e que o mercado tem claras preocupações no eu diz respeito Às entidades do grupo, e que a situação se está a deteriorar muito rapidamente. A agência diz ainda que o acesso do ESFG a financiamento de mercado está sob pressão, o que pode tornar as futuras emissões de dívida mais difíceis e o custo de financiamento mais elevado.

Outra das questões colocadas pela agência de rating é o facto do Banco de Portugal perder poder de supervisão direta da ESFG, apesar de manter o BES sob supervisão direta, o que pode faz com que a holding deixe de estar sujeita ao aumento dos requisitos regulatórios e deixe de beneficiar da supervisão.

Sobre o BES, a DBRS diz que os seus fundamentais continuam sob pressão devido aos problemas económicos no mercado domestico que têm persistido.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR