Quatro anos depois, a Islândia volta a estar em alerta. A intensificação, desde sábado, dos sismos na zona onde se localiza o vulcão Bardarbunga, no centro da ilha, levam os geólogos a acreditar que o vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento. O risco crescente fez com que o instituto de meteorologia islandês lançasse um alerta laranja para a aviação – na memória ainda está a erupção do vulcão Eyjafjallajökull cujas cinzas cobriram grande parte da Europa ocidental.

A erupção teve início a 20 de março de 2010, mas a 14 de abril o vulcão E15 (a forma abreviada do impronunciável Eyjafjallajökull) entrava numa nova fase de erupção com libertação de uma grande quantidade de cinzas que cobriu a Europa durante vários dias [infografia] encerrando o espaço aéreo por cerca de uma semana. Mais de 100 mil voos foram cancelados na Europa e cerca de 10 milhões de passageiros afetados, incluindo o Presidente da República português. Cavaco Silva estava em visita oficial à República Checa quando ficou retido em Praga e foi obrigado a percorrer 1.700 quilómetros de carro até Barcelona, onde pôde finalmente entrar num avião da Força Aérea e voltar a Lisboa.

This handout picture captured by NASA?s Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) on board the Aqua satellite on May 8, 2010 shows Iceland?s Eyjafjallajokull volcano continuing to emit a dense plume of ash and steam. Iceland's Eyjafjoell volcano threatened European skies with a new ash cloud Friday raising the risk of more flight cancellations, officials said. AFP / NASA MODIS - RESTRICTED TO EDITORIAL USE (Photo credit should read NASA MODIS/AFP/Getty Images)

Durante o mês de maio de 2010 ainda havia cinzas sobre a Europa – NASA MODIS/Getty Images

O vulcão Bardarbunga formou-se há milhões de anos onde as duas placas tectónicas do oceano Atlântico se encontram. À medida que as placas se afastam, afastando também o continente europeu do norte-americano, o oceano cresce e o magma vindo do interior da terra encontra forma de chegar à superfície. Localiza-se sob o glaciar Vatnajökull e uma erupção explosiva deste vulcão pode resultar em cheias nas zonas circundantes.

O alerta surge nesta altura porque os técnicos do instituto de meteorologia islandês detetaram movimentações do magma a menos de 10 quilómetros abaixo da superfície. “Neste momento, não existem sinais de erupção, mas não podemos excluir a atividade atual possa originar uma erupção subglaciar explosiva, levando a uma inundação e emissão de cinzas”, refere Martin Hensch, sismólogo no instituto, acrescentando que a altura a que as cinzas podem subir depende da força da explosão e de quão finas são as partículas.

Durante a erupção de 2010, as cinzas atingiram uma altura aproximada de seis quilómetros. Os aviões comerciais viajam normalmente a 10 quilómetros de altura, logo acima da nuvem de cinzas, mas deslocar e aterrar eram momentos críticos da viagem. As finas partículas vulcânicas destroem as turbinas e outras partes dos aviões e tiram a visibilidade aos pilotos.

Depois do catástrofe natural de 2010, várias precauções foram tomadas. As nuvens de cinzas que se venham a formar serão monitorizadas, avaliando a sua extensão e para onde se encaminham, assim como a densidade das cinzas que as compõem. Neste momento, também existem mais estudos sobre a quantidade de cinzas que uma turbina consegue aguentar. Também as seguradoras se acautelaram. Os passageiros que vejam os voos cancelados devido a nuvens de cinzas vulcânicas terão menos regalias.

Embora no espaço de um mês após a erupção de abril de 2010 os voos estivessem regularizados, o E15 manteve-se ativo até outubro e as cinzas demoraram um ano a assentar em Thorvaldseyri, uma quinta na base do vulcão. Agora a quinta mantém uma exposição sobre a erupção do vulcão Eyjafjallajökull.