Um comunicado enviado, nesta quarta-feira, pela Espírito Santo Financial Group (ESFG) à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) revela que Ricardo Salgado, antigo líder executivo do Banco Espírito Santo (BES), renunciou ao cargo de presidente daquela holding do Grupo Espírito Santo (GES).

Dois outros membros da gestão da empresa, que se encontra sob um processo de gestão controlada debaixo da tutela judicial do Luxemburgo, onde tem sede, também renunciaram aos postos que ocupavam no topo da empresa. Em causa estão os nomes de José Manuel Espírito Santo Silva e Gherardo Laffineur Petracchini.

A nova administração da ESFG, acrescenta o comunicado, integra Roger Hartmann, que passa de diretor a presidente, e Caetano Beirão da Veiga, cooptado como diretor, único membro da família que mantém ligações às empresas do grupo. As mudanças, informa a holding, produzem efeitos imediatos. A ESFG, a Espírito Santo International, a Rio Forte e a Espírito Santo Financiére são quatro empresas do GES que pediram proteção dos credores junto dos tribunais luxemburgueses na sequência do colapso do Grupo.

Em entrevista recente ao Expresso, Caetano Beirão da Veiga qualificou a situação do GES como “gravíssima” e acrescentou ter faltado “humildade de assumir” as “dificuldades no momento certo”. Para o gestor houve, nos últimos anos, “centralização a mais” na figura de Ricardo Salgado, com a conivência da família, e “escrutínio a menos”.