Rádio Observador

Redes Sociais

Os livros da nossa vida, segundo o Facebook

840

Um estudo realizado pelo Facebook Data Science foi descobrir que livros marcaram a geração que está online. Fique a conhecer o top 20 dos livros mais referidos no Facebook.

A análise foi feita a partir de mais de 130 mil estados do Facebook.

Getty Images

Um estudo recente realizado por Lada Adamic e Pinkesh Patel da equipa do Facebook’s Data Science procurou descobrir quais as obras literárias que marcaram esta geração. A análise foi feita a partir da rede social Facebook e de estados lá publicados que referissem uma lista de “10 livros que ficaram comigo ao longo dos anos”, uma partilha viral que encheu a rede social nos últimos meses.

Foram analisados mais de 130 mil estados do Facebook datados das últimas duas semanas de agosto de 2014 que tivessem as palavras “10 books” ou “ten books” (“dez livros”). Os resultados mostram que a maioria das publicações foi feita por mulheres, com uma idade média de 37 anos. Em termos demográficos, 63,7% dos estados tinham origem nos Estados Unidos da América, 9,3% na Índia e uns finais 6,3% no Reino Unido. Foi depois elaborada uma lista dos 100 livros mais referidos, que deverá refletir estas características.

A lista é composta maioritariamente por livros “sérios”, como Orgulho e Preconceito de Jane Austen ou O Deus das Moscas de William Golding, mas existem algumas exceções. A obra de comédia À Boleia pela Galáxia do inglês Douglas Adams, por exemplo, aparece bem colocada na sétima posição, a par com diversos clássicos da literatura infantojuvenil. A famosa saga Harry Potter surge em primeiro lugar, referida em 21,8% das publicações. Apesar de o primeiro livro, Harry Potter e a Pedra Filosofal, já ter sido publicado há 17 anos, os seus leitores continuam a apontá-lo como uma das suas obras de referência. O livro O Principezinho de Antoine de Saint-Exupéry, uma leitura obrigatória para os mais pequenos, surge também no top 100. Isto significa que as obras lidas na infância tendem a ficar com os leitores ao longo dos anos.

O top 20 dos livros mais referidos no Facebook é o seguinte:

  1. Harry Potter, J. K. Rowling – 21,8%
  2. Mataram a Cotovia, Harper Lee – 14,48%
  3. O Senhor dos Anéis, J. R. R. Tolkien – 13,86%
  4. O Hobbit, J. R. R. Tolkien – 7.48%
  5. Orgulho e Preconceito, Jane Austen – 7,28%
  6. A Bíblia – 7,21%
  7. À Boleia pela Galáxia, Douglas Adams – 5,97%
  8. Os Jogos da Fome, Suzanne Collins – 5,82 %
  9. À Espera no Centeio, J. D. Salinger – 5,70%
  10. As Crónicas de Nárnia, C. S. Lewis – 5,63%
  11. O Grande Gatsby, F. Scott Fitzgerald – 5,61%
  12. 1984, George Orwell – 5,37%
  13. Mulherzinhas, Louisa May Alcott – 5,26%
  14. Jane Eyre, Charlotte Brontë – 5,23%
  15. A Dança da Morte, Stephen King – 5,11%
  16. E Tudo o Vento Levou, Margaret Mitchell – 4,95%
  17. Um Atalho no Tempo, Madeleine L’Engle – 4,38%
  18. A História de uma Serva, Margaret Atwood – 4,27%
  19. O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, C. S. Lewis – 4,05%
  20. O Alquimista, Paulo Coelho – 4,10%

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)