Futebol

Errar é humano. E solucionar também deve ser

As coisas não estavam a resultar. O plano inicial não funcionava. Mas Marco Silva e Julen Lopetegui souberam intervir e, no final, valeu a pena. Algo que não se pode dizer dos desacatos de Guimarães.

destaque

Quando uma pessoa erra, é humana. E quando se engana? Mais uma humana será. É normal, acontece e, quando há uma bola a rolar sobre a relva, é sempre provável que as coisas não corram bem a toda a gente. Mas isso não impede ninguém de tentar endireitar o que está torto. E o primeiro passo está em reconhecer que a primeira escolha não foi a melhor.

Marco Silva fê-lo em Penafiel. Aí, no Estádio 25 de Abril, não foi preciso fazer uma revolução. Mas era necessário mudar. O Sporting estava amorfo, sem ideias, incapaz de acelerar o jogo quando tinha a bola e de se soltar das amarras que a equipa da casa, encolhida, lhe atirava a defender. Pouco depois do intervalo, viu que William Carvalho, lento e complicador com nunca foi costume, e André Martins, infértil nas coisas que estava a fazer, não ajudavam. Trocou-os por Adrien Silva e Fredy Montero. Tirou um trinco e um médio, colocou um avançado e outro médio. Resultou: a equipa venceu 4-0 e até o avançado colombiano marcou (dez meses depois).

No Dragão, a rotatividade deu a Lopetegui a desculpa para continuar a inventar. Ivan Marcado, um central, voltou a ser trinco. O espanhol tem bom pé esquerdo, não falha passes, sabe como e onde defender e não tenta fazer coisas complicadas. Sim, mas a equipa não está habituado a ter ali um jogador mais pesado, mais lento, sem o chip de estar sempre a trocar de posição com os outros e a acelerar o jogo. Ao intervalo, portanto, o treinador trocou-o por Rúben Neves. A diferença: o FC Porto começou a jogar bem, a trocar a bola e acabou a ganhar.

Tanto Marco Silva como Julen Lopetegui detetaram erros e souberam agir para os tentarem corrigir. Conseguiram. Mas será sempre melhor acertar à primeira do que esperar que, à segunda, um remendo lhes dê sucesso.

desilusão

Rixas, zaragatas, conflitos, lutas e agressões. Pela segunda vez esta época, ouvimos uma destas palavras vir à baila por causa de um jogo realizado no Estádio D. Afonso Henriques. Primeiro, a 14 de setembro, a partida entre o Vitória de Guimarães e o FC Porto chegou a parar durante quase oito minutos devido a uma confusão nas bancadas. Vários adeptos chegaram a saltar a vedação e a ficarem a metros do relvado, para fugirem de uma carga policial. No dia seguinte, a PSP justificou tudo com uma rixa entre “grupos de adeptos organizados não legalizados” do Vitória.

Resultado: cadeiras a voarem, vários agentes da polícia com ferimentos ligeiros e um adepto ferido. Na sexta-feira surgiu o segundo capítulo — um apoiante do Boavista foi agredido por agentes policiais à porta do estádio, foi internado num hospital e corre agora o risco de perder a visão num dos olhos. O que se passa em Guimarães? É urgente que o recinto, que há anos se gaba de ter as melhores casas após os três grandes, deixe de acolher rastos de violência. O importante é o futebol.

frase

“Ficámos endeusados com o que fizemos na primeira parte.” A confissão veio de Leonel Pontes. Ou melhor, o lamento. O treinador do Marítimo falava dos 45 minutos iniciais em que a sua equipa anulou, controlou e se superou ao Paços de Ferreira. Estava melhor e isso via-se em tudo. No resultado também: ganhava 1-0 ao intervalo. Depois, na segunda parte, o descalabro. Em 15 minutos sofreu três golos e acabaria por perder. Entre o oito e o 80, assim segue o Marítimo, única equipa que ainda não empatou na liga e, com esta derrota (a terceira), deixou-se ultrapassar pelo Sporting. Deixou de seguir o exemplo do Vitória de Guimarães — de se intrometer entre os grandes na tabela.

resultados

Vitória de Guimarães 3-0 Boavista
Penafiel 0-4 Sporting
Paços de Ferreira 3-2 Marítimo
Académica 0-0 Moreirense
Gil Vicente 1-1 Estoril
FC Porto 2-1 Sporting de Braga
Benfica 4-0 Arouca
Nacional da Madeira 0-0 Rio Ave
Belenenses 1-1 Vitória de Setúbal

A fronteira dos 70/75 minutos. Foi essa que tramou Penafiel e Arouca, equipas que aguentaram a fórmula e estratégia durante muito tempo mas, a partir daí, sucumbiram perante Sporting e Benfica. Terminaram ambos goleados por 4-0. Quem não arranja forma de ganhar é o Gil Vicente, que segue em último, com dois pontos e 16 golos sofridos, o pior registo entre quem anda nesta aventura da primeira liga. Poderão, talvez, olhar para o Moreirense — em sete jogos ainda só marcou três golos, o suficiente para ter sete pontos.

Como? Simples: só deixou que os adversários lhe marcassem sete e só deixou que fossem os grandes a levarem-lhe a melhor. As duas derrotas foram contra o FC Porto, por 3-0, e frente ao Benfica, 3-1, ambas em casa alheia. Bravo. Só falta vencer mais e empatar menos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)