Esteve mais de 100 vezes no plenário de Estrasburgo perante o Parlamento Europeu e no discurso de despedida – a Comissão Juncker deverá ser aprovada na quarta-feira, tomando posse dia 1 de novembro -, Durão Barroso lembrou que enfrentou nos seus 10 anos à frente da Comissão Europeia muitas crises. Defendeu que apesar de dizerem que acredita na austeridade, sempre fez apelos para maior solidariedade entre os Estados e tentou promover o crescimento através do investimento público. O momento que mais o emocionou foi ter recebido o prémio Nobel da Paz em nome da União Europeia e diz que o seu único interesse é que as suas lições sejam aprendidas “para que estes erros não se voltem a repetir”.

Dispensou o discurso escrito e falou de improviso. O português que há 10 anos deixou o cargo de primeiro-ministro para rumar a Bruxelas alega que hoje “as forças de integração são maiores que as de desintegração”, mas que isso teve um preço, nomeadamente a falta de apoio de algumas capitais europeias – Barroso escusou-se a mencionar nomes – na resolução da crise e na busca pela solidariedade europeia. Para quem defende que a ação podia ter sido mais rápida, ele responde: “A democracia é mais lenta que os mercados”.

E mais, vem agora dizer que ação da Comissão – uma das organizações que compunha a troika que atuou em vários países – optou durante o pico da crise pela “discrição”. “Não quis que a Comissão fizesse parte da cacofonia. Fizemos tudo com os instrumentos que tínhamos para evitar a fragmentação do euro”, assegurou no plenário em frente aos eurodeputados que enfrentou pela última vez. Essa discrição, segundo o próprio, fez com que muitas vezes lançasse apelos dramáticos a “algumas capitais” em nome da solidariedade e apelos aos países pobres para “mais contenção”.

“Eu sei que as politicas da UE têm sido apresentadas como apenas austeridade, mas isso é uma caricatura”, defendeu o português, culpando as tais capitais europeias por essa falta de vontade. “Pedimos aos estados que fizessem mais investimento. Se não houve, não foi por causa da oposição da Comissão e do PE, mas sim de algumas capitais europeias”, repetiu durante o seu discurso final.

Várias crises em 10 anos

A crise do Tratado Constitucional em 2004, o alargamento da UE e a crise geo-estratégica com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia foram ainda os temas que mereceram destaque neste discurso. Sobre o falhado tratado que traria uma Constituição à Europa, Barroso diz que impasse foi ultrapassado com Tratado de Lisboa e que embora muitos países se esqueçam, todos o ratificaram e aceitaram as suas condições – alguns apupos para o presidente da Comissão nesta parte do seu discurso.

Sobre o alargamento, Barroso defende que era mais difícil encontrar entendimentos entre os membros fundadores do que agora que a UE é constituída por 28 países. “Há maneira melhor de provar a resiliência da UE?”, questionou, dizendo também que a própria zona euro mesmo em tempo de crise também vai ser alargada com a adesão da Lituânia à moeda única em janeiro de 2015.

Já quanto ao conflito na Ucrânia, Barroso diz orgulhar-se do Acordo de parceria feito com o país e do papel da UE na escalada de violência. “Neste momento estamos a mediar um acordo sobre energia com o governo russo e ucraniano e acreditamos num entendimento político, que respeite as leis da Ucrânia e a sua soberania”, afirmou.

Desejou ainda boa sorte a Jean-Claude Juncker, a quem chamou sempre “amigo” e disse esperar que os Estados-membros apoiem mais a sua Comissão e os seus planos para os próximos cinco anos.