Rádio Observador

Parlamento

Alterações à lei das rendas aprovadas. PSD-CDS rejeita alargar prazo de transição

Propostas de alteração da maioria à lei das rendas, em vigor desde 2012, foram aprovadas na especialidade. PSD e CDS fizeram barreira a todas as propostas da oposição.

MÁRIO CRUZ/LUSA

As propostas de alteração à lei do arrendamento urbano feitas pelos partidos da maioria foram esta terça-feira aprovadas na especialidade, no Parlamento. Mas não sem forte oposição dos partidos da esquerda. PS e Bloco de Esquerda também tinham apresentado propostas de alteração, mas durante a apreciação e votação nenhuma foi viabilizada por PSD e CDS.

Em cima da mesa estavam as propostas de lei da maioria sobre a revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, que afeta sobretudo as rendas não habitacionais, assim como a nova lei do arrendamento apoiado para habitação, que o Governo quer introduzir, e as alterações à renda condicionada também para fins de habitação.

Do lado da oposição houve propostas alternativas, nomeadamente no que diz respeito ao prazo de transição da lei das rendas para 15 anos, que tanto o PS como o BE lembraram que foi um compromisso eleitoral do atual Governo, e que, como tal, queriam ver posto em prática. Mas sem sucesso. A proposta dos socialistas ia também no sentido de combater aquilo que dizem ser uma “lacuna” criada pela atual lei do arrendamento, que passa a atingir instituições de “elevado património”, que podem vir a ser despejadas, ficando esse mesmo património sem local de abrigo. É o caso da Sociedade de Geografia, alerta o PS, que passa a ficar visada nesta atualização da lei das rendas.

Foram vários os apelos da oposição para que a maioria fosse “sensível” a certas matérias, designadamente àquelas sobre as questões do património. O deputado socialista Miguel Coelho, que acusou as propostas de serem “uma mera aspirina” para “atenuar num caso ou outro” a lei do arrendamento habitacional, pediu mesmo para que o “rolo compressor da maioria tivesse limites”. E fez um apelo, “já pouco esperançado”, para que o PSD tivesse um “rebate de consciência” e “honrasse as promessas dadas em campanha”, referindo-se neste ponto ao prazo prometido de transição da lei das rendas.

Também a bloquista Helena Pinto se desdobrou em apelos à maioria, lamentando que o Governo nunca tenha “querido ouvir as opiniões propostas que foram feitas em sede de especialidade” e votando favoravelmente em muitas das propostas de alteração feitas pelo Partido Socialista. Miguel Tiago, do PCP, teve postura semelhante, votando ao lado do PS em algumas das alternativas colocadas em cima da mesa.

Mas o PSD e o CDS não se deixaram abalar pelos apelos da oposição, e mostraram-se irredutíveis, não deixando passar qualquer alínea ou artigo proposto pelas alas à esquerda. “O PSD não tem vergonha da lei que aprovou”, disse o deputado social-democrata Maurício Marques, para quem a expressão usada pelo PS de “honra perdida” “vem a despropósito”. Para o PSD, a lei das rendas, que foi aprovada em 2012 e que está agora a ser atualizada, já deu frutos: “Estamos a conseguir resolver o problema da dinamização do mercado de arrendamento e da reabilitação urbana e a salvar as famílias da escravidão dos empréstimos bancários”.

Sobre a questão “sensível” do património, o PSD afirmou que o método indicado para salvaguardar os bens patrimoniais não passa pela questão do arrendamento. “Cabe ao Estado procurar uma solução adequada para salvar esses bens”, disse, acrescentando a disponibilidade dos sociais-democratas para debaterem o assunto noutra sede – mas não “neste diploma”.

As mudanças provenientes da nova lei das rendas afetam um número significativo de arrendatários, uma vez que se alarga o número de empresas que podem aceder ao regime excecional e passam a ser abrangidas outras entidades, como as instituições particulares de solidariedade social (IPSS). As mudanças incidem também sobre as regras de realização de obras em casas arrendadas, obrigando a uma intervenção maior por parte das câmaras municipais no reconhecimento das obras que terão obrigatoriamente de implicar um despejo dos inquilinos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
António Costa

A esquerda que temos

Fernando Leal da Costa
362

Nem para ambulâncias pode o INEM gastar dinheiro. O melhor será assumirem que entre ligar para o INEM ou mandar vir o Uber, o segundo é mais certo. Isto, claro, se não estiver a passar um táxi.

PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)