Augusto Santos Silva

Santos Silva: “Temos de evitar hollandices”

168

Em entrevista, Augusto Santos Silva diz que Costa deve procurar consensos à esquerda e à direita. Sobre presidenciais, considera que "já é muito tarde" para Guterres dizer que não.

Augusto Santos Silva foi ministro no Governo de José Sócrates

Augusto Santos Silva é sociólogo, professor catedrático e já ocupou vários cargos governativos, desde logo, como ministro da Educação e da Cultura, do Governo liderado por António Guterres, e ministro dos Assuntos Parlamentares e depois da Defesa de José Sócrates. Nesta entrevista a Maria João Avillez, o socialista analisou o caminho que o Partido Socialista (PS) de António Costa, caso vença as eleições em 2015, deve percorrer no seu diálogo com a Europa e com os restantes quadrantes políticos portugueses.

O socialista acredita que o “PS não deve desperdiçar aquela que é a sua vantagem no sistema partidário português” que reside no facto de ser “a única força capaz de olhar para a direita e para a esquerda”.

“O PS, tenha ou não maioria absoluta, tem de encetar imediatamente um diálogo com três grandes forças que hoje estão órfãs: a democracia cristã, que hoje não tem expressão politica (…), o setor cavaquista da social-democracia (…) e os setores à esquerda que se cansaram de ser esquerda para nada”, ou seja, o Partido Livre, parte do Bloco de Esquerda, o Manifesto 74, a Política 21, entre outros.

Todavia, Augusto Santos Silva só admite que essa aproximação à direita seja possível, quando, quer PSD, quer CDS, alterarem as suas lideranças, depositando em Bagão Félix (CDS) e em Rui Rio (PSD) a esperança de se tornarem parceiros nessa futura negociação.

Mas como conciliar as diferentes forças políticas em jogo? Rompendo “com essa ideia muito portuguesa que quando o PS ganha, está condenando a governar sozinho” e contando com aqueles que estejam “empenhados na mudança da politica económica e da politica social em Portugal na baliza da nossa pretensão europeia”, ou seja, sem rasgar com o Tratado Orçamental. No seu entendimento, essa deverá ser a missão de António Costa, “o único capaz de protagonizar essa mudança”.

Aliás, segundo o professor catedrático o diálogo com os parceiros políticos deve ser antecedido por um diálogo sério com os parceiros sociais.

“Acho que o acordo que nós precisamos do ponto de vista de política de rendimento, políticas de apoios sociais, política fiscal, é um acordo que deve envolver forças políticas, mas que deve vir do diálogo social para o diálogo político”. A preocupação em fortalecer a ponte com os parceiros sociais (sindicatos e representantes do patronato) e com a sociedade civil, em geral, será uma das prioridades deste PS.

Falando sobre a posição portuguesa na União Europeia (UE), relativamente à questão da dívida pública soberana, Augusto Santos Silva criticou a atitude de “passividade” e de uma certa “subserviência” do Governo de Passos Coelho na sua relação com os credores europeus e não europeus.

“É preciso deixar de entender o Governo português como um procônsul das autoridades europeias em Portugal, como o foi no seu máximo esplendor [com] Vítor Gaspar, e passar a compreender que a posição do Governo português é defender os interesses de Portugal enquanto Estado-membro da UE. Para isso é preciso um Governo mais forte e um governo que abandone a posição de ‘nós somos seguidores, nós somos alunos, nós somos executores de regras definidas por outrem'”.

O que não significa, como fez questão de sublinhar o socialista, “uma posição unilateral portuguesa, uma solução no sentido de reestruturação unilateral da dívida (à Argentina) ou saída do Euro”, como defende a extrema-esquerda portuguesa. O caminho passará sempre pela formação de “um bloco, com países como a Itália e a França, que influencie a UE no sentido da mudança da política orçamental e da política comum”.

Para Augusto Santos Silva, só uma demonstração de força conjunta, em parceria com os restantes parceiros europeus tornará bem-sucedida a intervenção portuguesa, no sentido de resolver os problemas económicos e orçamentais do país e de encontrar soluções para a Europa.

E que soluções propõe o ‘novo’ PS de Costa? “Há várias possíveis”. No entanto, o sociólogo não acredita que o melhor caminho seja comprometer-se, numa fase tão inicial, com alguma em concreto.

“Temos de evitar hollandices, ou seja comprometermo-nos antecipadamente com aquilo que achamos que seria uma bala de prata, uma medida que por si só resolveria tudo (…) e depois de termos entradas de leão, sairmos como sendeiros”.

Augusto Santos Silva pronunciou-se, também, sobre a questão que envolve a eventual antecipação das eleições legislativas. O socialista reconhece que, não havendo o acordo do Executivo PSD/CDS, Cavaco Silva – que considera “estar nas mãos do primeiro-ministro” – não pode “dissolver a Assembleia e demitir o Governo” apenas tomando como critério a preparação atempada do Orçamento do Estado para 2016. No entanto, deixou o aviso: “Acho que vamos chegar a outubro de 2015, em piores condições do ponto de vista das contas públicas, do que estávamos em 2011”.

Sobre as eleições presidenciais de 2016, o ex-ministro considera que António Guterres “é a solução óbvia”, como candidato apoiado pelo PS.

Apesar de admitir não saber a verdadeira intenção do ex-primeiro-ministro e atual Comissário da ONU para os Refugiados, Augusto Santos Silva “julga” que o ex-primeiro-ministro “se vai candidatar [a Presidente da República]”, porque, apesar de ser “muito cedo” para anunciar a sua candidatura, “para dizer que não era candidato, já é muito tarde”.

A entrevista na íntegra pode ser vista aqui.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)