A competição vai ter partida e chegada no mesmo local pela sexta vez na sua história, quatro das quais, precisamente, em Buenos Aires (2009, 2010, 2011 e 2015), depois de ter passado por alguns locais emblemáticos, como o deserto chileno de Atacama e o “salar” (deserto de sal) de Uyuni, na Bolívia.

O Dakar2015 visita três países — Argentina, Chile e Bolívia -, mas o trajeto de 9.200 quilómetros (4.600 dos quais cronometrados para automóveis e motos) não será igual para todas as categorias e os camiões nunca pisarão solo boliviano, a fim de não danificarem o frágil “salar” de Uyuni.

Após 13 duras etapas e um dia de repouso em Iquique (Chile), o Dakar consagrará em Buenos Aires os seus campeões, que sairão de um total de 665 inscritos, oriundos de 53 países, três dos quais estreantes absolutos: Índia, Nova Zelândia e Taiwan.

A prova vai contar com a participação de 12 portugueses nas três categorias, com destaque para os “motards” Paulo Gonçalves, Ruben Faria e Hélder Rodrigues, e para Carlos Sousa e Ricardo Leal dos Santos nos automóveis.