O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, salientou nesta segunda-feira a “expressão lusófona” na nomeação de 15 novos cardeais eleitores pelo papa Francisco, salientando as nomeações de Manuel Clemente e de Arlindo Furtado, o primeiro cardeal de Cabo Verde. “Para os portugueses e todos os povos de expressão lusófona, crentes ou não crentes, este anúncio é acolhido com especial significado: vários destes nomes, que vêm de todo o mundo, são falados e vividos em português”, afirmou o presidente do CDS numa declaração institucional do presidente enviada à Lusa.

O também vice-primeiro-ministro declarou que “esta alegria, anunciada pelo Papa, é partilhada pelos portugueses e pelos lusófonos de todos os continentes, com a elevação a cardeal eleitor do Patriarca de Lisboa e do Bispo de Santiago, e ainda do Bispo emérito de Xai Xai, no sul de Moçambique”. Paulo Portas salientou, em particular, “a nomeação e reconhecimento do Patriarca de Lisboa – seja por uma tradição antiga, que honra uma bula e uma ligação secular, seja pelos méritos de D. Manuel Clemente, que honram o pastor e a diocese de Lisboa -, que o elevam a uma maior e mais próxima colaboração com o Papa Francisco”.

“Como portugueses, felicitamos D. Manuel, homem de Fé e Cultura, voz de compaixão e razão. Juntamo-nos à alegria pela nomeação de D. Arlindo Furtado, o primeiro cardeal de Cabo Verde”, afirmou. O papa Francisco anunciou no domingo a nomeação de 15 novos cardeais eleitores, provenientes de 14 países, entre os quais D. Manuel Clemente, Bispo de Lisboa. Com a nomeação de Manuel Clemente, patriarca de Lisboa, e do bispo cabo-verdiano Arlindo Gomes Furtado sobe para sete o número de cardeais lusófonos com direito de voto na escolha do líder da Igreja Católica.

Além destes, existem ainda outros 10 cardeais lusófonos que pertencem ao Colégio, sem direito de voto por terem mais de 80 anos, embora, tal como os restantes, assistam o papa nas suas decisões. O Consistório para a criação dos novos 15 cardeais está marcado para 14 e 15 de fevereiro e decorre depois de um encontro de dois dias (a 12 e a 13) com todo o Colégio Cardinalício sobre a reforma da Cúria Romana.