Pelo menos 35 prisioneiros políticos foram libertados em Cuba num espaço de 48 horas, como parte do plano de reaproximação diplomática com os Estados Unidos, anunciado em dezembro. “Estamos em 35 libertações”, disse na quinta-feira à AFP Elizardo Sanchez, presidente da Comissão cubana dos Direitos do Homem, uma organização interdita no país, mas tolerada pelas autoridades.

O líder da União Patriótica de Cuba (Unpacu, organização ilegal de oposição), José Daniel Ferrer, avançou que a maioria dos presos libertados até agora são membros da Unpacu. A libertação de prisioneiros “continua a conta-gotas e deve prosseguir” sexta-feira (hoje), afirmou Sanchez.

O departamento de Estado norte-americano anunciou na terça-feira que as autoridades cubanas iam libertar 53 presos políticos, uma exigência feita pelos Estados Unidos para iniciar uma aproximação diplomática entre os dois países.