Os aviões Airbus A350 e A380 vão ser equipados com caixas negras ejetáveis e flutuantes, o que permitirá localizar mais facilmente aparelhos que caiam no mar, anunciaram fontes do setor. “A Airbus recebeu no final do ano passado luz verde da Agência Europeia de Segurança Aérea [AESA] para realizar nos aviões as modificações necessárias à instalação destas novas caixas negras, nas traseiras dos aparelhos”, indicou à agência de notícias France-Presse (AFP) uma fonte.

Por seu lado, um porta-voz da AESA confirmou que a agência está a atualizar as regras de certificação das aeronaves comerciais, que permite a possibilidade de equipar os aviões com estas caixas negras. “A alteração é geralmente rápida”, indicou. Esta tecnologia, já aplicada nas forças armadas, não é utilizada na aviação civil porque até há poucos anos os acidentes aconteciam sobretudo na descolagem ou aterragem, e as caixas negras eram facilmente encontradas no solo.

Mas a queda de um avião entre o Rio de Janeiro e Paris, em 2009, que obrigou a quase dois anos de buscas para recuperar as caixas negras no fundo do Oceano Atlântico, o desaparecimento de um avião da Malaysia Airlines, a 8 de março de 2014, no Oceano Índico, cujos destroços não foram encontrados até hoje, e ainda o despenhamento de um avião da AirAsia sobre o mar de Java, em dezembro passado, tornaram evidente a necessidade de soluções práticas para encontrar as caixas negras. “A ideia é modificar as caixas negras para que ambas registem os parâmetros e as conversas durante o voo. Uma delas seria ejetável e a outra não”, disse à AFP uma fonte próxima de um fabricante de aviões europeu.

A caixa ejetável seria equipada de um sistema de airbag que lhe permitiria permanecer à superfície da água em caso de queda no mar, o que facilitaria a recuperação de dados e conversas fundamentais, mas também tornaria possível perceber o ponto de impacto exato no momento do acidente para localizar os destroços. A utilização de uma caixa negra exige a mudança do alçapão no avião, disse uma fonte próxima da fabricante de aeronaves. A Airbus deu prioridade à modificação dos aviões de última geração, como o A350 e o A380, utilizados para os voos transatlânticos.