Igreja Católica

Papa Francisco quer pais mais responsáveis – sem contracetivos

202

Sensibilizado com a quantidade de crianças abandonadas nas Filipinas e com o nível de pobreza no país, o Papa Francisco defende o controlo de natalidade, mas apenas com métodos naturais.

O Papa Francisco falou aos jornalistas durante o voo de Manila para Roma

GIUSEPPE CACACE/AFP/Getty Images

Não é segredo que a Igreja Católica rejeita a contraceção, mas o Papa Francisco fez questão de esclarecer que isso não significa que os católicos se reproduzam “como coelhos”, porque é possível um planeamento familiar natural. O Papa falou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, durante o voo de Manila para Roma, finda a visita à Ásia, e apelou a uma parentalidade responsável.

“Alguns pensam, e desculpem o termo, que para sermos bons católicos, temos de ser como coelhos. Mas não”, disse o líder da Igreja Católica, que se opõe à medida do governo filipino de disponibilizar mais facilmente os contracetivos. A visita a este país deixou o Papa Francisco sensibilizado com a quantidade de crianças na rua, abandonadas pelos pais que não tinham condições para as criar, e com a história de uma mulher que apesar de já ter feito sete cesarianas, colocou a vida em risco ao engravidar novamente.

Apesar de serem maioritariamente católicos e muito conservadores, a população filipina acolheu a medida de controlo de natalidade implementada pelo governo como uma boa forma de reduzir a pobreza. “Acreditamos que é possível defender a saúde reprodutiva e as práticas de planeamento familiar, e mesmo assim ser um bom católico”, disse, citada pelo Walll Street Journal, Bicbic Chua, diretora executiva do grupo Católicos pela Saúde Reprodutiva, que apoiou esta iniciativa. “Fomos, e ainda somos, tratados como pecadores, mas o que é imoral para nós é trazer crianças ao mundo sem amor, cuidado adequado e alimentação.”

A Igreja Católica apoia os métodos de controlo natural de natalidade, como a abstinência sexual durante o período fértil da mulher. Na conferência de imprensa, o Papa Francisco acusou os países desenvolvidos de tentarem influenciar os estilos de vida e a moralidade dos jovens nos países mais pobres – como com certas medidas de controlo de natalidade e direitos homossexuais, segundo a BBC -, comparando-os mesmo com a ação da propaganda Nazi e Fascistas no século XX. “Chama-se colonização ideológica. Colonizam as pessoas com ideias e tentam mudar as mentalidades e estruturas.”

“O planeamento natural não funciona”, disse Mary Jane Judilla, trabalhadora dos serviços sociais de saúde, citada pelo Walll Street Journal. “Os padres não são especialistas nisto.” As mulheres católicas que frequentam a clínica de planeamento familiar de Tondo continuam a usar contracetivos, mas mentem aos padres para não perderem as regalias da igreja, como o apoio escolar. “Continuamos a ser católicos. Só estamos a fazer o que é melhor pela nossa família.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Igreja Católica

O Papa, o bispo e o padre /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.278

«Isto é um escândalo! É melhor não ir à igreja: vive assim, como ateu. Mas, se vai à igreja, […] dê um verdadeiro testemunho, não um contratestemunho».

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)