Os filmes portugueses “Fuligem”, de Vasco Sá e David Doutel, e “Blood Brothers”, de Miguel Espírito Santo e Miguel Coimbra, estão em competição, no Festival Internacional da Curta-Metragem de Clermond-Ferrand, que se inicia esta sexta-feira, em França.

De acordo com a organização do mais importante festival dedicado à curta-metragem, “Fuligem” foi selecionado para a competição internacional – entre 84 filmes portugueses inscritos – e “Blood Brothers”, para a secção “Labo”, dedicada a filmes mais experimentais.

A 37.ª edição do Festival de Clermont-Ferrand decorre até 07 de fevereiro.

“Fuligem”, filme de animação de 14 minutos, já conquistou algns prémios, nomeadamente no Cinanima, de Espinho, no Festival de Animação da Lousafa e no “Curtas” de Vila do Conde.

O filme, que relaciona o percurso de vida de um homem com um trajeto de comboio pelo interior do país, foi produzido por Rodrigo Areias e tem banda sonora de Paulo Furtado e Rita Redshoes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

David Doutel e Vasco Sá já tinham trabalhado juntos em “O sapateiro” (2011), outra curta-metragem de animação.

“Blood Brothers”, documentário experimental de pouco mais de seis minutos, de Miguel Espírito Santo e Miguel Coimbra, acompanha o dia na vida de um dos Forcados Amadores de Montemor.

Além das duas curtas-metragens em competição, será também exibido o filme “O canto dos 4 Caminhos”, de Nuno Amorim, no âmbito da programação para escolas.

O programa Campus, do “Curtas” de Vila do Conde, vai estar também em destaque, “através da promoção dos três filmes que estão a ser realizados, no âmbito do projeto, por Sandro Aguilar, Manuel Mozos e Lois Patiño”, com equipas de estudantes, e que vão ter estreia na próxima edição do festival.

A Portugal Film, agência de apoio à internacionalização do cinema português, criada no âmbito do IndieLisboa, está igualmente presente no certame.

A agência apoiou a internacionalização de quatro curtas-metragens e da longa-metragem “A toca do lobo”, de Catarina Mourão, que foi entretanto selecionada para o festival de Roterdão.

Em 2013, em Clermont-Ferrand, o documentário “Sizígia”, de Luís Urbano, recebeu o prémio especial do júri na competição “Labo”.