Rádio Observador

Open da Austrália

Quem quer ser Novak Djokovic? O escocês que nunca lhe ganhou na Austrália

Sérvio vai pela 3.ª vez defrontar Andy Murray na final do Open da Austrália. O escocês já perdeu três finais do torneio, enquanto Djokovic venceu as quatro que disputou. Domingo, às 8h30, há mais.

Aos 27 anos, Novak Djokovic lidera o ranking mundial e nunca perdeu uma final do Open da Austrália. Vai para a quinta e venceu duas delas contra Andy Murray (2011 e 2013)

WILLIAM WEST/AFP/Getty Images

A frase, garantiu, nunca lhe saiu da cabeça depois de a ler. “Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better.” Traduzindo, é qualquer coisa como: “Tentei sempre. Falhei sempre. Não importa. Tentar outra vez. Falhar outra vez. Falhar melhor.” As palavras foram uma vez escritas por Samuel Beckett, escritor irlandês, e em 2013 tatuadas no antebraço de Stanislas Wawrinka, tenista suíço que, na madrugada desta sexta-feira, tentou, tentou e tentou, mas acabou por falhar o regresso à final do Open da Austrália.

Não conseguiu por culpa de Novak Djokovic, o sérvio que, a custo, o superou em cinco sets, pelos parciais de 7-6(1), 3-6, 6-4, 4-6 e 6-0. Só no último dos sets se viu o número um do ranking ATP a ser melhor em tudo que o homem que, o ano passado, vencera o primeiro Grand Slam da temporada — e até agora, quando já vai com 29 anos, o único da carreira.

Wawrinka, fiel ao fundo do court e às bestiais e agressivas pancadas que de lá costuma disparar, foi dificultando a vida ao sérvio, que mesmo velocista e elástico como sempre, não conseguia vencer dois sets consecutivos.

A coisa durou até ao suíço sucumbir a uma série de erros não forçados (69 ao todo, contra 49 de Djokovic), que o derrotaram no quinto jogo do encontro. “Há sempre desilusão. Perdes em quase todos os torneios. Tens de o aceitar e ser positivo, porque vais sempre falhar. Nem todos somos como o Nadal ou o Djokovic, que ganham em quase todos os torneios”, explicou Wawrinka, há meses, quando o The Guardian o questionou sobre a origem da tal tatuagem.

Não se repetiu o que sucedera em janeiro de 2014, quando Stan ultrapassou Novak nos quartos-de-final do Open da Austrália. Mas prolongou-se algo que acontece desde a edição de 2004 do torneio de Wimbledon — este já é o 43.º Grand Slam seguido no qual pelo menos um entre Rafael Nadal, Roger Federer ou Novak Djokovic chegou às meias-finais. Uma hegemonia dividida por três raquetes. E que desta vez terá Andy Murray como convidado.

O escocês, campeão olímpico em Londres e vencedor de dois Grand Slams (Open dos EUA, em 2012, e Wimbledon, em 2013), vai para a quarta final do torneio australiano. Djokovic chega à sua quinta e com ele levará um facto: o sérvio nunca perdeu uma decisão no court central de Melbourne. E a memória garantirá que Murray sabe disto melhor do que ninguém, já que era o britânico quem estava do outro lado do campo nas finais de 2011 e 2013.

Andy Murray, aliás, pode até escrever história com a raquete e tornar-se no primeiro homem a conquistar o Open da Austrália depois de perder três finais do torneio (a outra foi em 2010, frente a Roger Federer). Terá a hipótese de o fazer graças à vitória nas meias-finais contra Tomas Berdych, chego que chegou a reclamar o primeiro set e a, pelos vistos, enfurecer a noiva do tenista escocês.

Tanto que, após Murray o suplantar nos três parciais seguintes, não se conteve. Assim que o escocês confirmou o ponto da vitória, as câmaras focaram-se em Kim Sears e, mesmo se ouvirem, viram e gravaram a mulher a disparar palavrões — especialmente o que começa por um “f” — na direção de Berdych. É nisso que a imprensa inglesa se tem focado. “No calor do momento dizes coisas das quais te arrependes”, justificou, sem problemas, o escocês.

E o calor, nesta altura do ano, não foge muito dos 30.º C em Melbourne. Também não fugirá muito às 19h30 locais a que a final se começará a jogar no domingo (8h30 portuguesas, com transmissão na EuroSport). A noiva de Andy Murray desejará que à quarta será mesmo de vez para, por fim, ver o tenista a ser o melhor num Grand Slam australiano.

Ao invés de, como diz Wawrinka e a tatuagem que lhe cobre o antebraço, chegar à final, tentar, e falhar outra vez. Já dizia o suíço que nem todos podem ser como Novak Djokovic. Mas Andy Murray tentará que o sérvio passe a estar no lugar do escocês e perca uma decisão do Grand Slam australiano. Com ou sem a ajuda dos palavrões da noiva.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)